2009
DOI: 10.1590/s1414-98932009000400008
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Trabalho territorial em hospitais psiquiátricos: construindo no presente um futuro sem manicômios

Abstract: Tendo como pano de fundo o quadro da reforma psiquiátrica no Brasil, o presente artigo procura situar e diferenciar dois conceitos que considera mister para a transformação do modelo manicomial de assistência à saúde mental: desospitalização e desinstitucionalização. A partir do aprofundamento da discussão desses conceitos, ressalta a necessidade da desinstitucionalização da assistência à saúde mental, abrangendo tanto práticas terapêuticas quanto o desmonte dos hospitais psiquiátricos. Em proposta pragmática,… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
2
1

Citation Types

0
3
0
9

Year Published

2012
2012
2022
2022

Publication Types

Select...
6
1

Relationship

1
6

Authors

Journals

citations
Cited by 11 publications
(12 citation statements)
references
References 3 publications
0
3
0
9
Order By: Relevance
“…2018 Introdução A lógica manicomial prediz a exclusão de um indivíduo do convívio social; diante disso, as internações em hospitais psiquiá-tricos promovem uma invisibilidade social com o enfraquecimento, fragilização e rompimento dos vínculos familiares. As ações dos hospitais psiquiátricos baseavam-se diretamente na cura do paciente, justificando a periculosidade do indivíduo com necessidade de institucionalização (Ferro, 2009;Torre & Amarante, 2001;Lancetti & Amarante, 2006). Assim, nessa esfera de exclusão ocorre a mortificação da subjetividade, em que a doença mental é considerada um erro de razão e, portanto, o alienado não possuía direito a escolha (Amarante, 1995a;Lancetti & Amarante, 2006).…”
Section: Saúde Mentalunclassified
See 1 more Smart Citation
“…2018 Introdução A lógica manicomial prediz a exclusão de um indivíduo do convívio social; diante disso, as internações em hospitais psiquiá-tricos promovem uma invisibilidade social com o enfraquecimento, fragilização e rompimento dos vínculos familiares. As ações dos hospitais psiquiátricos baseavam-se diretamente na cura do paciente, justificando a periculosidade do indivíduo com necessidade de institucionalização (Ferro, 2009;Torre & Amarante, 2001;Lancetti & Amarante, 2006). Assim, nessa esfera de exclusão ocorre a mortificação da subjetividade, em que a doença mental é considerada um erro de razão e, portanto, o alienado não possuía direito a escolha (Amarante, 1995a;Lancetti & Amarante, 2006).…”
Section: Saúde Mentalunclassified
“…Fund., São Paulo, 21(2), 346-363, jun. 2018 e cidadania dos pacientes, com a ideia de colocar a doença entre parêntese e ocupar-se do sujeito (Amarante, 1995b;Ferro, 2009). Nessa ruptura surge a necessidade de superar o modelo de humanização dos hospitais psiquiá-tricos, o dispositivo psiquiátrico de tutela, a diferenciação daquele que trata e do que é tratado, o lugar de desvalorização do louco de não poder falar de si mesmo, a exclusão e periculosidade presentes no imaginário social, chegando à máxima expressão de fechamento dos hospitais psiquiátricos e substituição por serviços territoriais (Amarante, 1995b;Lancetti & Amarante, 2006).…”
Section: Saúde Mentalunclassified
“…Em contexto brasileiro, a partir do final da década de 1970, diversos agentes passaram a se organizar, sistematicamente, para compor críticas incisivas contra o modelo manicomial (AMARANTE, 2003;FERRO, 2009).…”
Section: Introductionunclassified
“…Embora exista esse financiamento, a adesão à proposta tem sido pequena e insuficiente para atender à demanda, especialmente CAPS III, serviço 24 horas capaz de acolher os casos agudos e com necessidade de cuidado intensivo, cuja quantidade ainda é muito aquém das necessidades. 6,7 A deficiente cobertura dos usuários com transtorno mental na atenção básica de saúde 7,8 , a cronificação dos usuá-rios nos CAPS 9 , a capsização do modelo de atenção 10 e a persistência de práticas manicomiais 11 nesses serviços são alguns dos problemas que acompanham o desenvolvimento da atual PNSM. Observa-se que a proposta de reforma psiquiátrica persiste, mas não se concretiza como desejada e expressa nas Conferências Nacionais de Saúde Mental (CNSM).…”
Section: Introductionunclassified