2007
DOI: 10.1590/s0034-77012007000100006
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Ser adulta e pesquisar crianças: explorando possibilidades metodológicas na pesquisa antropológica

Abstract: Ser adulta e pesquisar crianças: explorando possibilidades metodológicas na pesquisa antropológica 1 Flávia Pires Doutora em Antropologia Social -Museu Nacional/UFRJRESUMO: Neste artigo, apresento e discuto os vários métodos e técnicas de pesquisa utilizados na confecção de minha tese de doutorado: observação participante, desenhos, redações, filmagem, diários, fotografias, cartas, entrevistas com crianças, programas de rádio. Há um destaque para as redações, os desenhos e a observação participante, na medida … Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
3
1
1

Citation Types

0
7
0
40

Year Published

2013
2013
2022
2022

Publication Types

Select...
4
2
1

Relationship

0
7

Authors

Journals

citations
Cited by 50 publications
(47 citation statements)
references
References 5 publications
0
7
0
40
Order By: Relevance
“…Além da observação participante, também foi utilizada a metodologia de grupos focais com as crianças ciganas, com base nas ideias de Pires (2007) e Cohn (2005b, que retrataram a utilização de desenhos e perguntas informais na pesquisa com tais sujeitos sociais, juntamente a aplicação da técnica dos desenhos temáticos e livres. O grupo focal que realizamos com as crianças aconteceu no período de cinco dias, com a participação de onze crianças ciganas.…”
Section: Resumo: Este Trabalho Traz Reflexões Sobre a Concepção De Inunclassified
“…Além da observação participante, também foi utilizada a metodologia de grupos focais com as crianças ciganas, com base nas ideias de Pires (2007) e Cohn (2005b, que retrataram a utilização de desenhos e perguntas informais na pesquisa com tais sujeitos sociais, juntamente a aplicação da técnica dos desenhos temáticos e livres. O grupo focal que realizamos com as crianças aconteceu no período de cinco dias, com a participação de onze crianças ciganas.…”
Section: Resumo: Este Trabalho Traz Reflexões Sobre a Concepção De Inunclassified
“…Com o intuito de responder esta e outras questões, buscou-se inspiração em um quadro teórico-metodológico produzido na interseção dos estudos de gênero (BELOTTI, 1975(BELOTTI, [1973; WEST e ZIMMERMAN, 1987;LOURO, 1997;CON-NELL e PEARSE, 2015, dentre outras(os) com os estudos da infância (PROUT e JAMES, 1997;MOLLO-BOUVIER, 2005;COHN, 2005;PIRES, 2007, dentre outras(os) -áreas que visam construir, cada qual a seu modo, uma interpretação descolonizada sobre a realidade social, isto é, uma explicação para os fenômenos socioló-gicos que conteste respectivamente visões androcêntricas e adultocêntricas fortemente presentes ainda hoje no pensamento social contemporâneo.…”
Section: Socialização De Gênero Na Educação Infantil: Continuidades Eunclassified
“…Cumpre esclarecer que os desenhos produzidos por meninos e meninas quando conjugados com suas falas se conformam como artefatos que possibilitam ao pesquisador uma maior compressão da produção simbólica infantil, uma vez que se tornam elementos privilegiados de análise em um estudo etnográfico com crianças 2 (PIRES, 2007;SARMENTO, 2011). Nesse sentido, os desenhos infantis são especialmente apropriados para aceder a formas de expressão próprias das crianças possibilitando, dessa maneira, interpretá-los "como actos de criação cultural que revelam, mais que processos biopsicológicos de desenvolvimento, formas específicas de acção social das crianças" (SARMENTO, 2011, p. 40).…”
Section: Socialização De Gênero Na Educação Infantil: Continuidades Eunclassified
See 1 more Smart Citation
“…21 20 Agência entendida a partir da noção de criança-ator (Cohn, 2005), que concebe a participação ativa das crianças na vida social como produtoras de cultura. Para um panorama geral dos estudos antropológicos recentes voltados à agência infantil e à percepção da criança, o cotidiano das mesmas e as relações com os adultos, conferir Cohn (2005), Nunes (2002), Lopes da Silva (2002), Toren (2002) e Pires (2007). 21 Vale aqui alguns comentários sobre a realização de pesquisa com crianças e jovens.…”
Section: Introductionunclassified