2001
DOI: 10.1590/s1517-86922001000100004
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Função muscular esquelética e composição corporal de pacientes com hipertireoidismo submetidos ao treinamento contra resistência

Abstract: O hipertireoidismo está associado a uma fraqueza muscular generalizada que é parte da manifestação clínica inicial de cerca de 80% dos pacientes. A recuperação da performance muscular esquelética durante o tratamento do hipertireoidismo depende tanto do aumento da massa muscular quanto da melhoria da função intrínseca da musculatura esquelética. Por outro lado, o treinamento contra resistência aumenta a força e a endurance muscular em diferentes grupos de indivíduos. O objetivo do presente trabalho foi avaliar… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1
1

Citation Types

0
2
0
3

Year Published

2002
2002
2012
2012

Publication Types

Select...
2
1

Relationship

1
2

Authors

Journals

citations
Cited by 3 publications
(5 citation statements)
references
References 6 publications
0
2
0
3
Order By: Relevance
“…Neves et al 5 , and Haluzik et al 22 in a literature review found increase of lipolysis also in the subcutaneous adipose tissue for individuals with hyperthyroidism without evaluation of physical exercise practice. Moreover, hyperthyroidism also seems to be related to decrease of adipose tissue measured through skinfolds 6 . Thus, physical exercise and hyperthyroidism separately seem to cause physiological alterations able to reduce visceral and subcutaneous fat, which have only been observed in our study when associated with these two variables.…”
Section: Discussionmentioning
confidence: 95%
See 1 more Smart Citation
“…Neves et al 5 , and Haluzik et al 22 in a literature review found increase of lipolysis also in the subcutaneous adipose tissue for individuals with hyperthyroidism without evaluation of physical exercise practice. Moreover, hyperthyroidism also seems to be related to decrease of adipose tissue measured through skinfolds 6 . Thus, physical exercise and hyperthyroidism separately seem to cause physiological alterations able to reduce visceral and subcutaneous fat, which have only been observed in our study when associated with these two variables.…”
Section: Discussionmentioning
confidence: 95%
“…Moreover, hyperthyroidism seem to significantly alter the lipid profile of the sick individual, causing alterations in the glycerol and circulating free fatty acids concentrations (FFA) 2 , besides modulating the distribution of the high-density cholesterol (HDL) 4 which, associated to alterations in the low-density cholesterol levels (LDL), result in a favorable HDL/LDL ratio 5 . Studies show that morphological alterations such as muscular atrophy 6 , reduction in muscle mass and adipose tissue 6 occur as consequence of hyperthyroidism, which compromise the performance of daily tasks and consequently quality of life of the individual 6,7 . In an attempt to attenuate and/or revert these effects; regular physical activity has been recommended, since it presents as one of its main benefits improvement in the lipid profile in the long run 8 .Some studies have demonstrated that performance of acute physical exercise has presented positive effects on some physiological parameters, such as blood lipid concentrations, lipoproteins, cholesterol, blood pressure, glucose metabolism, immunological system and many other variables 8,9,10 .…”
Section: Introductionmentioning
confidence: 99%
“…Com o objetivo de investigar o efeito de uma medida que acelerasse a recuperação muscular esquelética dos pacientes em tratamento de HT, foi demonstrado que o treinamento contra resistência, promoveu um maior ganho de força e resistência, em relação aos resultados de pacientes submetidos apenas ao tratamento, sendo este farmacológico ou com iodo radioativo (figura 1). Desta forma, o treinamento contra resistência associado ao tratamento, é capaz de recuperar mais rapidamente aspectos da função muscular esquelética, proporcionando assim melhora da qualidade de vida em tempo mais curto, e podendo ser utilizado como um tratamento coadjuvante no HT (10,11).…”
Section: Disfunção Muscular Esqueléticaunclassified
“…Utilizando antropometria, os estudos de Santos et al (10,11) demonstraram que pacientes hipertireoideos submetidos a treinamento contra resistên -cia, aliado ao tratamento (farmacológico ou terapia com iodo radioativo), apresentaram um ganho de peso após 4 meses acompanhado de ganho de massa muscular, o mesmo não sendo observado no grupo controle onde apenas o tratamento foi adotado (figura 2).…”
Section: Composição Corporalunclassified
“…Os níveis de TSH são altos no hipotireoidismo e baixos no Interessantemente, os animais tratados com GC-1 não tiveram sua tolerância ao esforço afetada em relação ao grupo C. A explicação para tal fato é que estudo realizado com camundongos com hipotireoidismo tratados com GC-1 levou a um efeito inotrópico positivo em relação a camundongos hipotireóideos sem tratamento.Além do coração, a redução da tolerância ao exercício no hipertireoidismo, pode também estar relacionada a uma disfunção do músculo esquelético em função da redução da expressão das enzimas oxidativas e glicolíticas(76). Apesar de não termos avaliado a expressão genética ou o conteúdo protéico e bioquímico do músculo esquelético, em nosso estudo, os animais tratados com doses suprafisiológicas de T 4 , mas não GC-1, apresentaram atrofia do músculo sóleo.Sabe-se que estado de hipermetabolismo apresentado no hipertireoidismo tem com efeito direto na musculatura esquelética com perda de massa muscular e diminuição da proporção de fibras musculares do tipo I. Tais alterações levam os pacientes acometidos de tal disfunção à perda de força e resistência significativas para realização de trabalhos que exijam esforços(41).Portanto, a ausência de efeitos adversos de GC-1 sobre o desempenho dos animais durante o exercício de natação, mesmo em doses elevadas, comprovam funcionalmente que o uso de GC-1 é seguro para o músculo cardíaco e esquelético.Estudos anteriores já demonstraram que doses elevadas de GC-1 aumenta o gasto energético sem causar danos teciduais e alteração no peso do coração(77). As explicações para a ausência de efeitos do GC-1 sobre o miocárdio e músculo esquelético se deve a predominância da expressão de TRα1 nesses tecidos(1) assim como a distribuição farmacocinética de GC-1 que predomina em outros tecidos como fígado(69).…”
unclassified