2008
DOI: 10.1590/s0102-79722008000200017
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

A morfologia derivacional contribui para a leitura e escrita no português?

Abstract: Resumo Estudos realizados em língua inglesa mostram que a habilidade de refletir sobre os morfemas que compõem as palavras está associada ao sucesso no reconhecimento e compreensão de palavras, na leitura, e na escrita. O português é uma língua com uma ortografia bem mais transparente em termos das correspondências entre letra e som do que o inglês. Neste estudo investigamos se o processamento da morfologia derivacional contribui para leitura e escrita no português e se essa contribuição é independente da cons… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2

Citation Types

1
12
0
42

Year Published

2012
2012
2020
2020

Publication Types

Select...
7

Relationship

1
6

Authors

Journals

citations
Cited by 31 publications
(55 citation statements)
references
References 18 publications
1
12
0
42
Order By: Relevance
“…O resultado do presente estudo de que a consciência morfológica não contribui para a fluência de leitura é consistente com o resultado do estudo de Nagy et al (2006) que revelou que a consciência morfológica só contribuiu de forma significativa para a fluência de leitura entre crianças da 8ª e da 9ª séries. No que se refere à precisão de leitura, o estudo mais diretamente comparável a este é o de Mota et al (2008), pois também foi realizado com crianças brasileiras e utilizou a mesma medida de leitura. Os resultados desse estudo foram de que a consciência morfológica, mensurada pela tarefa de analogia de palavras, contribuiu para a precisão de leitura, mesmo após o controle de variações na idade.…”
Section: Discussionunclassified
See 2 more Smart Citations
“…O resultado do presente estudo de que a consciência morfológica não contribui para a fluência de leitura é consistente com o resultado do estudo de Nagy et al (2006) que revelou que a consciência morfológica só contribuiu de forma significativa para a fluência de leitura entre crianças da 8ª e da 9ª séries. No que se refere à precisão de leitura, o estudo mais diretamente comparável a este é o de Mota et al (2008), pois também foi realizado com crianças brasileiras e utilizou a mesma medida de leitura. Os resultados desse estudo foram de que a consciência morfológica, mensurada pela tarefa de analogia de palavras, contribuiu para a precisão de leitura, mesmo após o controle de variações na idade.…”
Section: Discussionunclassified
“…Os resultados desse estudo foram de que a consciência morfológica, mensurada pela tarefa de analogia de palavras, contribuiu para a precisão de leitura, mesmo após o controle de variações na idade. No entanto, no estudo de Mota et al (2008) a inteligência não foi controlada e, como no presente estudo a inteligência não verbal correlacionou-se significativamente com a consciência morfológica (vide Tabela 2), é provável que caso essa variável tivesse sido controlada no estudo de Mota et al (2008) a consciência morfológica também deixasse de contribuir para a precisão de leitura. Além disso, é importante ressaltar também que, quando mensurada pela tarefa de associação morfossemântica no estudo de Mota et al (2008), a consciência morfológica não contribuiu para a precisão de leitura, mesmo controlando-se apenas a idade.…”
Section: Discussionunclassified
See 1 more Smart Citation
“…The second principle is semiographic and allows graphic units (fl ower) to also correspond to a meaning (fl ower = the sexual reproduction organ of the higher plants). Therefore, it can be said that phonological processing is associated with the phonographic principle, while morphological processing associates with the semiographic principle (Mota, Aníbal, & Lima, 2008).…”
mentioning
confidence: 99%
“…Their results showed a predictor effect of the morphosyntactic knowledge regarding the orthographic performance, as well as an evolution between the series in the explanation of the morphosyntatic knowledge and in the writing of words and pseudowords. Similarly, Mota et al (2008) conducted an investigation aiming to verify the contribution of derivational morphology processing for reading and writing in Portuguese, also analyzing whether this contribution is dependent on phonological awareness, i.e., a byproduct of phonological processing. Their results show that the ability to refl ect on the morphemes contributes greatly for reading and writing, and this contribution is, to some extent, independent of phonological processing.…”
mentioning
confidence: 99%