2003
DOI: 10.1590/s0103-863x2003000200009
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Ritual de despedida em familiares de pacientes com prognóstico reservado

Abstract: RESUMO:Pesquisa qualitativa que teve por objetivo investigar os efeitos terapêuticos do ritual de despedida na iminência da morte, em familiares de pacientes com prognóstico reservado. Foram estudadas oito famílias de pacientes internados em um Hospital Geral. Utilizou-se o método clínico, as técnicas de estudo de caso e entrevistas pós-óbito, dados submetidos à análise de conteúdo. Os resultados mostraram que os familiares se despediram através da comunicação verbal e não-verbal, da religião, da "liberação", … Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1
1

Citation Types

0
1
0
18

Year Published

2011
2011
2022
2022

Publication Types

Select...
7
2

Relationship

1
8

Authors

Journals

citations
Cited by 20 publications
(19 citation statements)
references
References 3 publications
0
1
0
18
Order By: Relevance
“…O cartão emocionou Ana, que trouxe o cartão para o atendimento, e ao relatar sobre o presente, nota-se grande satisfação. Através das situações relatadas, percebe-se que o ritual de despedida aproximou essa família e viabilizou a separação, como parte integral do processo de vida (Imber-Black, 1998;Lisbôa & Crepaldi, 2003;Parkes, 1998) No primeiro atendimento, Ana chegou a manifestar o desejo de ter um novo bebê e deixou explícito seu objetivo: "Agora, quero trabalhar a cabeça para engravidar de novo". Seu ginecologista recomendou que esperasse até o final do ano para engravidar, cerca de 10 meses.…”
Section: Estratégias Facilitadoras Para a Elaboração Do Lutounclassified
“…O cartão emocionou Ana, que trouxe o cartão para o atendimento, e ao relatar sobre o presente, nota-se grande satisfação. Através das situações relatadas, percebe-se que o ritual de despedida aproximou essa família e viabilizou a separação, como parte integral do processo de vida (Imber-Black, 1998;Lisbôa & Crepaldi, 2003;Parkes, 1998) No primeiro atendimento, Ana chegou a manifestar o desejo de ter um novo bebê e deixou explícito seu objetivo: "Agora, quero trabalhar a cabeça para engravidar de novo". Seu ginecologista recomendou que esperasse até o final do ano para engravidar, cerca de 10 meses.…”
Section: Estratégias Facilitadoras Para a Elaboração Do Lutounclassified
“…O ritual de despedida entre familiares e pacientes contribui tanto para a prevenção do surgimento desses sintomas psicológicos quanto para a reaproximação da família e para a definição de questões do relacionamento familiar que estejam pendentes (Bowlby, 1998;Imber-Black, 1998;Lisbôa & Crepaldi, 2003). A partir dele, é possível abrir espaços para o compartilhamento de sentimentos entre os membros da família, incluindo as crianças nesse processo (Bowlby, 1998;Walsh & McGoldrick, 1998).…”
Section: Intervenção Do Psicólogo Hospitalar Em Processos De Terminalunclassified
“…Considerando-se como possível o trabalho de apoio à pessoa enferma no enfrentamento da morte, a redefinição de relações anteriormente comprometidas e o fortalecimento de vínculos mais saudáveis na perspectiva de uma qualidade de vida aos familiares e qualidade de morte ao doente, a equipe de saúde passa a ser protagonista junto a todos os demais atores desse cenário, em busca de recursos saudáveis a esse recorte tão particular da vida das famílias. Assim, o ritual de despedida auxilia as famílias a se tornarem mais próxi-mas, ao mesmo tempo em que se preparam para a separação, como parte integral do processo de vida (Imber-Black, 1998;Lisbôa & Crepaldi, 2003;Parkes, 1998).…”
Section: Considerações Finaisunclassified
“…Por outro lado, encontramos na literatura que pessoas que vivenciam a morte de um familiar por doença crônica, como Orquídea, podem vir a aceitar mais facilmente a morte de tal ente, uma vez que estar junto com o familiar e acompanhálo até o momento da morte configura-se como uma forma de ir se despedindo aos poucos, o que pode diminuir a sensação de impotência diante da morte. O familiar que sofre a perda, ao permanecer junto ao paciente e acompanhar a pessoa em sua terminalidade, posteriormente tende a adquirir uma sensação de felicidade, de ter proporcionado conforto ao seu familiar, e a impressão do dever cumprido (11) . Esta percepção é evidenciada quando a depoente diz:…”
Section: Interpretando a Linguagem De Orquídeaunclassified