2014
DOI: 10.1590/0101-6628.001
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

A formação acadêmico-profissional no Serviço Social brasileiro

Abstract: Resumo: O propósito deste texto é fazer uma leitura crítica das diretrizes curriculares para o curso de Serviço Social, inscritas na história recente da sociedade brasileira, considerando-as como fruto de determinantes histórico-sociais e da ação dos sujeitos profissionais. E apontar alguns de seus avanços, impasses e desafios contemporâneos. A ênfase recai sobre a articulação entre formação e trabalho do assistente social, privilegiando as mudanças operadas na política pública de ensino superior e as metamorf… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1

Citation Types

0
0
0
8

Year Published

2015
2015
2023
2023

Publication Types

Select...
9
1

Relationship

0
10

Authors

Journals

citations
Cited by 20 publications
(8 citation statements)
references
References 5 publications
0
0
0
8
Order By: Relevance
“…Conforme informação disponível em: < http://hdr.undp.org/sites/default/ files/hdr2020.pdf> Acesso em 08 de outubro de 2020. contexto amazônico. A formação profissional do assistente social fornece os elementos necessários para que o assistente social avance na direção do atendimento de demandas particulares da região, mas para isso é necessário seguir na direção apontada por Iamamoto (2014), que aponta para a necessidade dos cursos de graduação em Serviço Social serem organizados de modo a oferecer uma formação generalista, mas também compreender a realidade local. E apesar da questão social ser uma só, que se manifesta de diferentes formas, quando pensamos no contexto amazônico, por exemplo, suas expressões caminham ao lado de diferentes possibilidades da questão ambiental, que apesar de ser uma categoria pouco explorada no Serviço Social, exige aprofundamento para uma melhor aproximação da realidade social.…”
Section: Considerações Finaisunclassified
“…Conforme informação disponível em: < http://hdr.undp.org/sites/default/ files/hdr2020.pdf> Acesso em 08 de outubro de 2020. contexto amazônico. A formação profissional do assistente social fornece os elementos necessários para que o assistente social avance na direção do atendimento de demandas particulares da região, mas para isso é necessário seguir na direção apontada por Iamamoto (2014), que aponta para a necessidade dos cursos de graduação em Serviço Social serem organizados de modo a oferecer uma formação generalista, mas também compreender a realidade local. E apesar da questão social ser uma só, que se manifesta de diferentes formas, quando pensamos no contexto amazônico, por exemplo, suas expressões caminham ao lado de diferentes possibilidades da questão ambiental, que apesar de ser uma categoria pouco explorada no Serviço Social, exige aprofundamento para uma melhor aproximação da realidade social.…”
Section: Considerações Finaisunclassified
“…Além de favorecer práticas incoerentes com os princípios do SUAS, a terceirização da Assistência Social favorece a subcontratação de serviços individuais e o exercício profissional privado (autônomo) e temporário, no qual a contratação se dá por projeto, por tarefa (Cruz, 2009;Iamamoto, 2013;Raichelis, 2010). Também favorece que contratos sem validade determinada estejam sujeitos a qualquer alteração nas finanças da OST, tanto que praticamente todos os psicólogos entrevistados relataram ter vivenciado a experiência de ver uma equipe inteira ser demitida devido ao encerramento de um convênio ou ao cancelamento de um patrocínio.…”
Section: Métodounclassified
“…Nessa direção, preocupa o alerta feito pelo UNICEF (2018), a partir dos dados da pesquisa "Pobreza na Infância e na Adolescência", ao advertir que 6 em cada 10 crianças e adolescentes brasileiros/as vivem na pobreza, expostos/as a múltiplas privações, sobretudo os/as adolescentes, no geral, e as crianças e adolescentes negros/as das regiões Norte e Nordeste. A questão racial é um dos aspectos que se sobressai, pois: "meninas e meninos negros [as] registram uma taxa de privação de direitos de 58%, contra 38% dos[as] brancos[as]" (UNICEF, 2018, p. 16).…”
Section: Introductionunclassified