2018
DOI: 10.1590/1980-85852503880005207
View full text |Buy / Rent full text
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: Resumo Nos últimos dez anos, uma dahira, coletivo religioso de migrantes senegaleses, surgiu e se desenvolveu no Estado do Rio de Janeiro. Acompanhei seu singular processo de institucionalização e a maneira como ela chegou a fazer parte das redes internacionais dessa confraria religiosa. Neste artigo, discuto como a dahira se tornou uma infraestrutura de chegada no contexto específico do Rio de Janeiro e comparo as iniciativas do coletivo da dahira com outras estruturas senegalesas, evidenciando a complexidade… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1
1

Citation Types

0
2
0
3

Year Published

2019
2019
2021
2021

Publication Types

Select...
5

Relationship

2
3

Authors

Journals

citations
Cited by 6 publications
(5 citation statements)
references
References 15 publications
(5 reference statements)
0
2
0
3
Order By: Relevance
“…Because the main form of permanence of Senegalese in Brazilian territory is based on applications for asylum, the fact that there were 7,206 Senegalese applicants between 2010 and 2015 provides an idea of the scale of their immigration (Comitê Nacional para os Refugiados, 2016: 5). This argument builds on my previous article in Portuguese (Heil, 2018), which explored the conceptual potential of infrastructure only with regard to the Muslim Dahira.…”
Section: Introductionmentioning
confidence: 85%
“…Podemos constatar assim que, em situação de diáspora, o líder da associação exerce uma importante função na comunidade senegalesa em diálogo com a sociedade local, assim como acontecia com as comunidades mourides no próprio Senegal e também em outras regiões do mundo. Heil (2018), em estudo sobre senegaleses no Rio Janeiro, observou que a dahira, por sua maior estabilidade devido à devoção religiosa, se manifestou como o centro dessa infraestrutura muçulmana de chegada, fundamental para a constituição e o fortalecimento político para aquela comunidade.…”
Section: O Encontro Entre As Diferentes Diásporasunclassified
“…As chamadas redes migratórias desempenham papel central na transmissão de informações sobre oportunidades e obstáculos, e podem promover ou dificultar a mobilidade de outras pessoas (ASSIS, 2011;BAKEWELL et al, 2016;MASSEY et al, 1998). No caso de senegaleses e ganeses, além das redes de parentesco ou amizade, as religiosas desempenham papel importante tanto na constituição de um projeto inicial de migração quanto no apoio durante a trajetória (HEIL, 2018;RICCIO, 2001). As diferentes redes se estendem, hoje, muitas vezes, não apenas entre dois lugares, entre país de origem e de destino, mas podem conectar simultaneamente pessoas em vários lugares.…”
Section: Aqui Para Ficar Ou Só De Passagem? Experiências Migratórias unclassified
“…About half of them had come from Senegal and many lived in and around Centro neighborhood, the city center of Niterói. I met my interlocutors partially through contacts provided from previous research in Senegal, their local diasporic and religious associations and snowballing my way through their arrival infrastructure using as many different entry points as possible (Heil, 2018). They include street vendors and professionals, Murids and other Muslims, more men than women, most of them in their twenties, thirties and forties.…”
Section: Contextualizing West Africans In Niteróimentioning
confidence: 99%
“…23 , n. 3, p. 108-129, 2021 2 Aprendendo a Fazer Pesquisa em um Contexto Histórico de Ilegalidade Entre os esforços de pesquisa recentes acerca do fluxo de senegaleses ao Brasil e à Argentina, pode-se sublinhar uma direção marcante. Trata-se do enfoque analítico sobre as formas de associativismo postas em prática pelos diferentes grupos nos contextos urbanos locais em que se estabelecem, entre a manutenção de redes sociais e organizações políticas e/ou religiosas a servirem de porta-vozes para a comunicação coletiva dos senegaleses com o poder público, e a imprensa, os contratantes, a sociedade local e outros grupos imigrantes próximos (KLEIDERMACHER, 2013;ALVARADO;ZUBRZYCKI, 2015;HERÉDIA, 2015;GUILHERME, 2017;HEIL, 2018; entre outros). Mesmo tendo em vista a importância desta atenção difundida, expressa pela qualidade dos trabalhos relacionados, é possível notar que outras formas pelas quais os imigrantes senegaleses fazem política, menos institucionalizadas e evidentes, permanecem fora do escopo analítico desse conjunto de pesquisas.…”
unclassified