2022
DOI: 10.1590/2237-101x02305008
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Trabalho e trabalhadores livres: os índios no Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro, século XIX

Abstract: RESUMO Este texto se propõe a recuperar o processo de incorporação dos índios ao universo de trabalhadores urbanos no Rio de Janeiro no primeiro quartel do século XIX, analisando, de modo particular, sua presença no Arsenal da Marinha. A proposta é recolocar os índios na cena do mundo do trabalho buscando abrir novos campos de debate com uma historiografia ancorada na experiência da escravidão africana. Ao iluminar a presença das populações nativas no mundo do trabalho carioca, espera-se contribuir para uma am… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
4
1

Citation Types

0
0
0
7

Year Published

2024
2024
2024
2024

Publication Types

Select...
1
1

Relationship

0
2

Authors

Journals

citations
Cited by 2 publications
(7 citation statements)
references
References 6 publications
0
0
0
7
Order By: Relevance
“…9 Essa ideia aparece nessa passagem na voz do Ministro Mendonça Filho, mas é reapresentada também no corpo do documento (Brasil, 2018a, p. 8). 10 Sobre os acordos entre o MEC e a USAID (Aliança para o Progresso), ver os estudos clássicos de Alves (1968) e Arapiraca (1982), além dos trabalhos mais recentes de Gaio (2008) e Nogueira (1998). 11 Esta adesão a modelos estrangeiros incompatíveis com as necessidades escolares do país já acontecia nas teorias tecnicistas dos anos 1960: "[...] os melhores técnicos nacionais embarcaram nela com a melhor boa vontade e sem prevenções" (Lima, 1968, p. 11).…”
Section: Notasunclassified
“…9 Essa ideia aparece nessa passagem na voz do Ministro Mendonça Filho, mas é reapresentada também no corpo do documento (Brasil, 2018a, p. 8). 10 Sobre os acordos entre o MEC e a USAID (Aliança para o Progresso), ver os estudos clássicos de Alves (1968) e Arapiraca (1982), além dos trabalhos mais recentes de Gaio (2008) e Nogueira (1998). 11 Esta adesão a modelos estrangeiros incompatíveis com as necessidades escolares do país já acontecia nas teorias tecnicistas dos anos 1960: "[...] os melhores técnicos nacionais embarcaram nela com a melhor boa vontade e sem prevenções" (Lima, 1968, p. 11).…”
Section: Notasunclassified
“…As ATMs são duas articulações, bilaterais, que embora apresentem movimentos próprios de cada lado da face, estes ocorrem simultaneamente, pois são realizados por meio da movimentação de um único osso, a mandíbula (MADEIRA, 2008;OKESON, 2008). A ATM caracteriza-se por ser uma articulação sinovial, do tipo condilar, biaxial, a qual possibilita movimentos de dobradiça (abertura e fechamento mandibular) no plano sagital e movimentos de deslizamento, no plano horizontal, evidenciando-se com isso uma combinação de gínglimo e articulação artrodial ou "plana" (ALVES, 1962;GOSS, 1988;OKESON, 2008).…”
Section: Articulação Temporomandibular E Músculos Mastigatóriosunclassified
“…Cada uma das ATMs é formada pelas seguintes estruturas ósseas: eminência ou "tubérculo" articular e fossa mandibular, pertencentes ao osso temporal, superiormente, e o côndilo da mandíbula, inferiormente. Também fazem parte dessa importante articulação os elementos articulares como, um disco intra-articular, a cápsula e os ligamentos (ALVES, 1962;GOSS, 1988;MADEIRA, 2008), conforme ilustrado na Figura 1. De maneira geral, a articulação se dá pelo encaixe do côndilo mandibular na fossa mandibular do osso temporal, e interposto entre as superfícies articulares encontra-se o disco articular (ALVES, 1962;MADEIRA, 2008).…”
Section: Articulação Temporomandibular E Músculos Mastigatóriosunclassified
See 2 more Smart Citations