2013
DOI: 10.1590/s0102-64452013000300012
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Teoria e história na sociologia brasileira: a crítica de Maria Sylvia de Carvalho Franco

Abstract: * Este estudo é parte de pesquisas mais amplas ainda em curso, financiadas pelo CNPq e pela Faperj, que também vem envolvendo orientações acadêmicas. Agradeço a Maurício Hoelz Veiga Jr., Paloma Malaguti e Pedro Cazes. O estudo foi apresentado no GT Pensamento social brasileiro, durante o 36º Encontro Anual da Anpocs (2012), a cujos membros também sou grato.Em Homens livres na ordem escravocrata, Maria Sylvia de Carvalho Franco investiga as relações entre homens livres no Vale do Paraíba, ao longo do século XIX… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
1
1

Citation Types

0
0
0
12

Year Published

2017
2017
2019
2019

Publication Types

Select...
6

Relationship

1
5

Authors

Journals

citations
Cited by 15 publications
(12 citation statements)
references
References 6 publications
(6 reference statements)
0
0
0
12
Order By: Relevance
“…Para mais detalhes a respeito da crítica de Franco a Cardoso, cf. : Hoelz, 2010;Botelho, 2013;Cazes, 2013. A respeito dos desdobramentos posteriores da crítica de Franco a Cardoso, tendo em vista o modo particular pelo qual este se posicionou, cf.…”
Section: As Raízes Da Volubilidadeunclassified
“…Para mais detalhes a respeito da crítica de Franco a Cardoso, cf. : Hoelz, 2010;Botelho, 2013;Cazes, 2013. A respeito dos desdobramentos posteriores da crítica de Franco a Cardoso, tendo em vista o modo particular pelo qual este se posicionou, cf.…”
Section: As Raízes Da Volubilidadeunclassified
“…As interpretações construídas na FFCL foram responsáveis por construir uma justificação intelectual que acabou desaguando no chamado "milagre brasileiro". De acordo com Botelho (2013): "Sua obra sociológica, antes problematiza que corrobora alguns dos pressupostos empíricos, históricos e teóricos dos trabalhos do seu orientador Florestan Fernandes e de seu grupo como um todo" (p. 357).…”
Section: Franco E a Crítica Ao Tradicionalismo Brasileirounclassified
“…A análise de Franco (1997) alia teoria social com análise histórica densa para defender ao longo do trabalho a impropriedade em se caracterizar o Brasil escravista como pré-moderno e a inadequação em compreendê-lo, a partir da escravidão, como um sistema social capaz de explicar todas as relações sociais e de produção. Como lembra Botelho (2013), Franco produziu a crítica teórica mais detalhada e consistente das visões disjuntivas entre tradição e modernidade que eram centrais às teorias da modernização de seu tempo.…”
Section: Franco E a Crítica Ao Tradicionalismo Brasileirounclassified
“…26 Em linhas gerais, os estudos mais abrangentes sobre a história das ciências sociais no Brasil privilegiaram sua institucionalização universitária, adotando como marco de origem a criação da Escola Livre de Sociologia e Política, em 1933 e a Universidade de São Paulo, em 1934(Miceli, 1989, 1995. Entretanto, no campo de estudos sobre pensamento social, tem-se observado a importância de incluir outros parâmetros de abordagem, levando em conta a diversidade de agendas de pesquisa e perspectivas teóricas adotadas Botelho, 2013). Faz-se também necessário considerar a importância de grandes projetos de pesquisa apoiados por agências nacionais e internacionais, muitos realizados fora das universidades, como foi o caso dos estudos sobre as favelas nos anos 1950 e 1960.…”
Section: Favela Mito Da Ruralidade Urbana E Atuação Políticaunclassified