2010
DOI: 10.1590/s0103-73312010000100010
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Representações sociais e hanseníase em São Domingos do Capim: um estudo de caso na Amazônia

Abstract: Resumo: Este estudo analisa as representações sociais da hanseníase em São Domingos do Capim-PA, a partir da perspectiva da antropologia da doença. As representações são compreendidas como estruturas dinâmicas socialmente construídas que fundamentam as ações dos sujeitos e dos grupos na resolução dos episódios de doença e na produção de sentido para as experiências de adoecimento. Para compreender a lógica das interpretações da doença, foram reconstituídos os itinerários terapêuticos dos doentes, a partir de d… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1
1

Citation Types

0
0
0
9

Year Published

2014
2014
2022
2022

Publication Types

Select...
5
1

Relationship

0
6

Authors

Journals

citations
Cited by 7 publications
(9 citation statements)
references
References 7 publications
(2 reference statements)
0
0
0
9
Order By: Relevance
“…Deste modo, a mudança semântica propicia a coexistência de elementos ancorados no senso comum e que remetem à memória social da lepra, como também de conteúdos ancorados no saber científico e que se associam à hanseníase. Com efeito, a primeira denominação tem sido apontada como uma doença dos "antigos", caracterizada por feridas que não cicatrizam e que levam a mutilações das extremidades do corpo (LINS, 2010). Ainda para esta autora, a ideia de que o termo hanseníase indica uma nova doença ancora-se na lógica atual da biomedicina, fato que traz novo entendimento sobre as causas do adoecimento, as normas para o diagnóstico e a possibilidade de cura.…”
Section: Resultsunclassified
See 1 more Smart Citation
“…Deste modo, a mudança semântica propicia a coexistência de elementos ancorados no senso comum e que remetem à memória social da lepra, como também de conteúdos ancorados no saber científico e que se associam à hanseníase. Com efeito, a primeira denominação tem sido apontada como uma doença dos "antigos", caracterizada por feridas que não cicatrizam e que levam a mutilações das extremidades do corpo (LINS, 2010). Ainda para esta autora, a ideia de que o termo hanseníase indica uma nova doença ancora-se na lógica atual da biomedicina, fato que traz novo entendimento sobre as causas do adoecimento, as normas para o diagnóstico e a possibilidade de cura.…”
Section: Resultsunclassified
“…Especificamente no campo da saúde, entender uma doença como representação significa tomá-la como uma construção social dinâmica, determinada por processos históricos e sociais inerentes a um grupo social, haja vista que as representações da enfermidade constituem a matéria sobre a qual as pessoas formulam suas interpretações e dão sentido a suas experiências (LINS, 2010).…”
Section: Introductionunclassified
“…O que se ressalta como um quesito importante para o seguimento e adesão à Poliquimioterapia (PQT), pois, em sua atuação, o ACS pode orientar o paciente durante o tratamento e reafirmar a possibilidade de cura da doença. Já que, apesar da divulgação na mídia e da difusão das políticas de atenção à hanseníase, a crença na cura da doença não é completa e afeta negativamente a adesão ao tratamento (24,25) . A importância da informação dos profissionais ACS sobre a terapêutica utilizada pode refletir nas ações de controle da patologia, visto que a adesão ou abandono, as ações de autocuidado, casos de recidivas ou reações hansênicas podem ser muitas vezes identificados por este membro da ESF que está em contato mais capilar com a comunidade (13) .…”
Section: Discussionunclassified
“…Os discursos com relação à hanseníase carregam consigo toda uma história que não deve ser desprezada. Eles estão conectados às representações sociais, e as mesmas são um tipo de construção de saberes socialmente acordados e presentes no senso comum, influenciando na visão de mundo dos sujeitos e sendo influenciados pelos aspectos culturais e contextos nos quais se manifestam (LINS, 2010;QUEIROZ, 2000). Nos relatos das internações compulsórias, às vezes conduzidas de forma militar, as histórias dos pacientes registram a força do preconceito.…”
Section: Percurso Metodológicounclassified