2018
DOI: 10.23925/1809-3876.2018v16i1p4-28
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

O Currículo Cultural Da Educação Física: Pressupostos, Princípios E Orientações Didáticas

Abstract: RESUMOEnquanto terreno de disputas, o currículo da Educação Física tem enfrentado questionamentos quanto aos seus objetivos, métodos de ensino e formas de avaliação. Após as críticas desferidas às intenções de melhoria da aptidão física que marcaram a inserção do componente nas instituições educativas, surgiram propostas fundamentadas na psicobiologia que se mostravam comprometidas com o desenvolvimento cognitivo, afetivo-social e motor. Na última década do século XX, em sincronia com a democratização da socie… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
2
1

Citation Types

0
2
0
16

Year Published

2020
2020
2024
2024

Publication Types

Select...
5
1

Relationship

1
5

Authors

Journals

citations
Cited by 12 publications
(19 citation statements)
references
References 19 publications
0
2
0
16
Order By: Relevance
“…Na metodologia em questão, além de participarem ativamente da construção e organização das aulas, ao final de cada trimestre e de cada ano letivo, os estudantes avaliam o seu rendimento, o desenvolvimento das aulas e dão sugestões de atividades/temas para serem desenvolvidos no trimestre ou no ano seguinte. Neira (2015;2018a) nos ajuda a caracterizar nossa proposta como uma situação pedagógica que substitui a 'cultura do silêncio' na escola, fazendo ecoar as vozes das minorias (GIROUX apud NEIRA, 2015). Além do professor, os estudantes podem dar sugestões e interferir nos processos decisórios dentro das aulas, criando um espaço profícuo para as trocas e para o crescimento individual e do grupo (SANTOS, 2006).…”
Section: Resultsunclassified
See 2 more Smart Citations
“…Na metodologia em questão, além de participarem ativamente da construção e organização das aulas, ao final de cada trimestre e de cada ano letivo, os estudantes avaliam o seu rendimento, o desenvolvimento das aulas e dão sugestões de atividades/temas para serem desenvolvidos no trimestre ou no ano seguinte. Neira (2015;2018a) nos ajuda a caracterizar nossa proposta como uma situação pedagógica que substitui a 'cultura do silêncio' na escola, fazendo ecoar as vozes das minorias (GIROUX apud NEIRA, 2015). Além do professor, os estudantes podem dar sugestões e interferir nos processos decisórios dentro das aulas, criando um espaço profícuo para as trocas e para o crescimento individual e do grupo (SANTOS, 2006).…”
Section: Resultsunclassified
“…Notamos nos relatos o desenvolvimento dos estudantes, que ampliaram a percepção sobre as questões sociais, políticas e históricas que se relacionam com os conhecimentos da EF. Assim como Neira (2018a), acreditamos que o currículo da Educação Física necessita borrar fronteiras, possibilitando a análise e o compartilhamento dos seus significados, promovendo nas aulas um ambiente adequado para discussão, vivência, ressignificação e ampliação da cultura corporal. Neste sentido, cabe à EF problematizar, desnaturalizar e evidenciar a multiplicidade de sentidos que os estudantes conferem às diferentes práticas corporais, não se limitando, apenas, a reproduzi-las, mas entendendo-as como produções historicamente construídas pelo homem (PAIXÃO et al, 2017).…”
Section: Resultsunclassified
See 1 more Smart Citation
“…Mas como o fazem? É comum encontrarmos nas práticas do currículo cultural, sobretudo naquelas reveladas pelos relatos de experiência, 8 uma descrição das intervenções pedagógicas influenciadas pelos princípios ético-políticos curriculares, metáforas e procedimentos didáticos, inferidos por Neira e Nunes (2011) e Neira (2018Neira ( , 2019 em face dos estudos das práticas pedagógicas. Contudo, uma apresentação mais explícita acerca dos corpos produzidos pelo currículo cultural não foi identificada no amplo material do GPEF.…”
Section: E Numa Produção Mais Recente Apontam Queunclassified
“…Resumidamente, Neira e Nunes (2006, Neira ( , 2018Neira ( , 2019 e também o GPEF partiram inicialmente dos estudos culturais e do multiculturalismo crítico para desestabilizar as posturas críticas e acríticas em Educação Física, sobretudo explodindo com a noção de identidade única, fixa e hegemônica que caracterizara as propostas da Educação Física até então, com intuito de dar a ver as culturas não hegemônicas na escola, ampliando a discussão para além da classe social e incluindo os marcadores sociais de gênero, raça, etnia e religião que perpassam as práticas corporais, o que contribuiu para o surgimento de outras formas de promover intervenções didáticas. Contudo, com Bonetto (2016), entre outros, podemos afirmar que, atualmente, os campos de inspiração do currículo cultural em Educação Física têm se expandido para outros ambientes teóricos, sobretudo aqueles denominados, genericamente, de pós-estruturalistas 6 .…”
Section: Introductionunclassified