2015
DOI: 10.1590/1807-57622014.0808
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Nós em rede: vivências da parceria ensino-serviço produzidas pelo Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde

Abstract: O Sistema de Saúde Brasileiro sofreu grandes mudanças com a Reforma Sanitária, ocorrida a partir do final da década de 1970. Diversos debates, embates políticos e sociais foram travados, o que resultou na definição do artigo nº 196 da Constituição Federal de 1988 1 . Este determina que a saúde seja um direito de todos e que é dever do estado propor e consolidar meios para a garantia deste direito. O SUS foi instaurado para realizar esta garantia, oferecendo acesso igualitário e universal aos serviços, e operan… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
1

Citation Types

0
0
0
8

Year Published

2016
2016
2024
2024

Publication Types

Select...
6

Relationship

0
6

Authors

Journals

citations
Cited by 6 publications
(8 citation statements)
references
References 10 publications
0
0
0
8
Order By: Relevance
“…Nesta categoria, discute-se como os processos de formação profissional influenciam no conhecimento dos territórios em saúde e como o aplicativo auxiliou nas identificações dos fatores ambientais que interferem na abordagem terapêutica mais adequada ao usuário hipertenso/diabético, tendo em vista que as necessidades em saúde são social e historicamente determinadas e construídas no território onde se vive. 20 Gonçalves et al, 11 no estudo sobre vivências da parceria ensino-serviço produzidas pelo Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde, referem que, desde a Reforma Sanitária, a formação dos recursos humanos para saúde é um desafio, que persiste até hoje. Nos últimos anos, houve mudanças significativas nos currículos dos cursos de saúde, a fim de atender as demandas do SUS.…”
Section: Importância Do (Re)conhecimento Dos Territórios Em Saúdeunclassified
See 2 more Smart Citations
“…Nesta categoria, discute-se como os processos de formação profissional influenciam no conhecimento dos territórios em saúde e como o aplicativo auxiliou nas identificações dos fatores ambientais que interferem na abordagem terapêutica mais adequada ao usuário hipertenso/diabético, tendo em vista que as necessidades em saúde são social e historicamente determinadas e construídas no território onde se vive. 20 Gonçalves et al, 11 no estudo sobre vivências da parceria ensino-serviço produzidas pelo Programa de Educação pelo Trabalho para a Saúde, referem que, desde a Reforma Sanitária, a formação dos recursos humanos para saúde é um desafio, que persiste até hoje. Nos últimos anos, houve mudanças significativas nos currículos dos cursos de saúde, a fim de atender as demandas do SUS.…”
Section: Importância Do (Re)conhecimento Dos Territórios Em Saúdeunclassified
“…A graduação e a educação permanente no serviço são essenciais no incentivo à formação de profissionais sensíveis às diversas e complexas situações vivenciadas na Atenção Básica. 11,28 Na fala a seguir, destaca-se o papel importante tanto da graduação quanto dos processos de iniciação científica e extensão, como sensibilizadores do conhecimento de território e, portanto, para a construção de Ecomapa: "Tive contato desde o primeiro período com a atenção básica, formeime na UFPB e lá tinha um projeto de extensão de educação popular em saúde, em que visitávamos diversas comunidades que são até bem parecidas com as do Recife. Esse contato logo no início com o território me influenciou bastante em seguir pela atenção básica" (A).…”
Section: Importância Do (Re)conhecimento Dos Territórios Em Saúdeunclassified
See 1 more Smart Citation
“…V.13, N. 46 p. 524-534, 2019 -ISSN 1981-1179Edição eletrônica em http://idonline.emnuvens.com.br/id cuidar com ênfase nas condições de vida e dos determinantes sócio culturais do paciente(VASCONCELOS et al, 2016).Contudo ressalta-se a importância da participação de multiprofissionais na efetivação de uma assistência integralizada, que seja na atenção primaria na atenção secundária e/ou, na atenção terciária. A demais é preconizada uma organização dos currículos das profissões de saúde, com planos pedagógicos e institucionais orientados em uma aprendizagem dentro de uma lógica de prática desarticulada, formando profissionais despreparados para atuarem em equipes e que dão prioridade aos problemas de saúde como parte de um membro do corpo, e ainda um atendimento no coletivo(MIRA BARRETO;VASCONCELOS, 2016; TEIXEIRA et al, 2012).É notória a dificuldade do profissional de saúde em inserir-se na perspectiva de integralidade, em decorrência de uma formação profissional direcionada em competências técnicas, de alto rigor científico, baseadas em práticas puramente curativistas, muito aquém do ideal do Sistema Único de Saúde que defende a assistência humanizada e generalista(GONÇALVES et al, 2015). Faz-se necessário repensar um ensino que promova vivências no serviço de saúde, que haja uma integração de estudante-profissionais objetivando a troca de saberes e experiências, visando promover a saúde e incentivar o controle social(VASCONCELOS et al, 2016;GONÇALVES et al, 2015).Nas Diretrizes Curriculares Nacionais-DCN da área da saúde, o perfil profissional faz referência ao generalista, com visão humanista, crítica e integradora, capaz de atuar com qualidade e resolubilidade no SUS.…”
unclassified
“…A demais é preconizada uma organização dos currículos das profissões de saúde, com planos pedagógicos e institucionais orientados em uma aprendizagem dentro de uma lógica de prática desarticulada, formando profissionais despreparados para atuarem em equipes e que dão prioridade aos problemas de saúde como parte de um membro do corpo, e ainda um atendimento no coletivo(MIRA BARRETO;VASCONCELOS, 2016; TEIXEIRA et al, 2012).É notória a dificuldade do profissional de saúde em inserir-se na perspectiva de integralidade, em decorrência de uma formação profissional direcionada em competências técnicas, de alto rigor científico, baseadas em práticas puramente curativistas, muito aquém do ideal do Sistema Único de Saúde que defende a assistência humanizada e generalista(GONÇALVES et al, 2015). Faz-se necessário repensar um ensino que promova vivências no serviço de saúde, que haja uma integração de estudante-profissionais objetivando a troca de saberes e experiências, visando promover a saúde e incentivar o controle social(VASCONCELOS et al, 2016;GONÇALVES et al, 2015).Nas Diretrizes Curriculares Nacionais-DCN da área da saúde, o perfil profissional faz referência ao generalista, com visão humanista, crítica e integradora, capaz de atuar com qualidade e resolubilidade no SUS. Os profissionais de saúde devem possuir competências para responder a necessidades e demandas de saúde da população em situações concretas(NASCIMENTO, 2010).De acordo com(QUEVEDO, 2008, p.48, apud NASCIMENTO, 2010) É a partir da vivência prática nos serviços, permeado por um suporte pedagógico específico e voltado para as necessidades da população, que se concretiza uma formação técnica e humanística, do profissional de saúde, uma vez que as situações-problema vivenciadas no cotidiano desses profissionais exigem ações que extrapolem o âmbito puramente científico/clínico.…”
unclassified