2008
DOI: 10.1590/s0034-89102008005000022
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Gestão dos processos de trabalho e humanização em saúde: reflexões a partir da ergologia

Abstract: A Política Nacional de Humanização preconiza a transversalidade na construção de redes cooperativas, solidárias e comprometidas com a produção de saúde, estimulando o protagonismo e a co-responsabilidade de sujeitos e coletivos. Dentro desse contexto, o artigo apresenta refl exão sobre a gestão dos processos de trabalho em saúde, tendo como foco os trabalhadores e as contribuições da ergologia para repensar a produção de conhecimento sobre o trabalho. Utilizou-se como referencial a abordagem ergológica de Schw… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
2

Citation Types

0
0
0
10

Year Published

2010
2010
2021
2021

Publication Types

Select...
4
1

Relationship

0
5

Authors

Journals

citations
Cited by 10 publications
(10 citation statements)
references
References 9 publications
0
0
0
10
Order By: Relevance
“…Concepções sobre a gestão em saúde no SUS Apenas um 7 dos artigos analisados não traz de modo explícito a concepção de gestão. Os outros quinze artigos 1,8,9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19,20,21 defendem entendimentos próximos da concepção de gestão participativa e cogestão para o SUS, por mais que alguns tragam outras nomenclaturas para esse modo de gerir. A racionalidade gerencial hegemônica trabalha com o aprisionamento da vontade, do desejo e dos interesses dos trabalhadores, ao mesmo tempo em que se estrutura outro modo de gerir o SUS, privilegiando pessoas e não as estruturas, organizando os processos de trabalho em que os trabalhadores se reconheçam em sua obra 20 .…”
Section: Resultsunclassified
See 1 more Smart Citation
“…Concepções sobre a gestão em saúde no SUS Apenas um 7 dos artigos analisados não traz de modo explícito a concepção de gestão. Os outros quinze artigos 1,8,9,10,11,12,13,14,15,16,17,18,19,20,21 defendem entendimentos próximos da concepção de gestão participativa e cogestão para o SUS, por mais que alguns tragam outras nomenclaturas para esse modo de gerir. A racionalidade gerencial hegemônica trabalha com o aprisionamento da vontade, do desejo e dos interesses dos trabalhadores, ao mesmo tempo em que se estrutura outro modo de gerir o SUS, privilegiando pessoas e não as estruturas, organizando os processos de trabalho em que os trabalhadores se reconheçam em sua obra 20 .…”
Section: Resultsunclassified
“…A gestão na saúde pode ser entendida como um conjunto de ações governamentais desenvolvidas no cotidiano 9 , com participação de vários saberes com vistas à democratização do poder 8,11,12,14,21 .…”
Section: Resultsunclassified
“…É uma perspectiva científica e filosófica que estuda o trabalho humano buscando contemplar a atividade humana em todas as suas dimensões, baseada no projeto de melhor conhecer o trabalho para intervir e transformá-lo. Ela parte da análise cuidadosa dos estudos indicativos da distância entre o trabalho prescrito e o real; nela o trabalhador procura agir nas situações de trabalho para que haja contribuição para permitir ao trabalhador crescer, pois possui como pontos de partida e chegada a atividade humana (Lima & Bianco, 2009;Athayde & Brito, 2011;Hennington;Cunha & Fischer, 2011).…”
Section: Introductionunclassified
“…A transformação cultural que passa a destacar a humanização como um caminho transversal, no qual ela é presente nos diferentes níveis de atenção à saúde (HENNINGTON, 2008), levanta o questionamento de onde essa transformação surge e como ela acontece. Tal contexto justifica e realça a necessidade do desenvolvimento de pesquisas educacionais que permitam maior alcance na compreensão de como e onde se aprende a humanização ou seu contrário, assim como embasar ações relacionadas à humanização no ensino na área da saúde.…”
Section: Introductionunclassified
“…Organização dos processos de trabalho.A PNH aponta algumas questões que podem ser destacadas como motivadoras para transformações no modelo de gestão e atenção à saúde, como a precarização das relações de trabalho, pouca participação dos trabalhadores na gestão dos serviços, baixo investimento em educação permanente, falta de motivação, lacunas no trabalho em equipe e a dificuldade de lidar com questões das subjetividades. A transformação da cultura institucional, contando com compromisso ético, métodos para as práticas de saúde e gestão dos serviços baseados na intersubjetividade e com a participação dos envolvidos nessas ações, são aspectos que desenham o processo da humanização, como já foi citado anteriormente neste trabalho(HENNINGTON, 2008;RIOS, 2009a).A organização dos serviços e do espaço é destacada pelos alunos como algo fundamental para o exercício da humanização. As práticas não humanizadas são associadas pelos alunos à falta de estrutura do ambiente que deveria ser voltado para o cuidado.…”
unclassified