2009
DOI: 10.1590/s1981-77462009000100003
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Educação do campo: notas para uma análise de percurso

Abstract: Este ensaio busca contribuir na construção de uma chave metodológica para interpretação do percurso e da situação atual da educação do campo, um fenômeno recente da realidade educacional brasileira, que tem os movimentos sociais camponeses como principais protagonistas. O texto inicia com uma análise da constituição originária da Educação do campo, identificando contexto, práticas e sujeitos. Em seguida, discute as tensões e contradições principais do seu percurso, especialmente as que se produzem na relação e… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1

Citation Types

0
6
0
115

Year Published

2013
2013
2023
2023

Publication Types

Select...
7
2

Relationship

0
9

Authors

Journals

citations
Cited by 159 publications
(121 citation statements)
references
References 1 publication
0
6
0
115
Order By: Relevance
“…Conforme já analisado por vários autores (CALDART, 2009;MOLINA, 2010), nos últimos anos percebeu-se uma mudança relevante em uma das principais características da Educação do Campo: o protagonismo dos movimentos na execução das políticas públicas por eles conquistadas. Para que estas novas graduações possam cumprir os desafios para os quais foram desenhadas, como por exemplo, contribuir para formar educadores do campo capazes de promover a vinculação das Escolas do Campo com as lutas dos sujeitos camponeses para permanecer nestes territórios, esta presença dos Movimentos Sociais é imprescindível.…”
Section: B) O Protagonismo Dos Movimentos Sociaisunclassified
“…Conforme já analisado por vários autores (CALDART, 2009;MOLINA, 2010), nos últimos anos percebeu-se uma mudança relevante em uma das principais características da Educação do Campo: o protagonismo dos movimentos na execução das políticas públicas por eles conquistadas. Para que estas novas graduações possam cumprir os desafios para os quais foram desenhadas, como por exemplo, contribuir para formar educadores do campo capazes de promover a vinculação das Escolas do Campo com as lutas dos sujeitos camponeses para permanecer nestes territórios, esta presença dos Movimentos Sociais é imprescindível.…”
Section: B) O Protagonismo Dos Movimentos Sociaisunclassified
“…Nessa direção, merece reflexão a proposta do MST de incorporar a dimensão do trabalho e a dimensão lúdica no processo de formação educacional do aluno, proposta que coincide com o processo secular de socialização dos filhos de camponeses para o trabalho (DEMARTINI;LANG, 1985;ROSSETTO, 2010;CALDART, 2009).…”
Section: Questões Que Permanecem E Novas Questõesunclassified
“…Explica-se que "a cultura modela o conteúdo educacional, modos operacionais e contextos, uma vez que ela molda nossos quadros de referência, nossas maneiras de pensar e agir, nossas crenças e, até mesmo, nossos sentidos" (UNESCO, 2006, p. 12-13). A interculturalidade é definida como um "conceito dinâmico e se refere à relação de constante evolução entre grupos culturais" (UNESCO, 2006, p. 17 Tendo a sua origem no processo de luta dos movimentos sociais para resistir à expropriação de terras, a Educação do Campo vincula-se à construção de um modelo de desenvolvimento rural que priorize os diversos sujeitos sociais do campo, isto é, que se contraponha ao modelo de desenvolvimento hegemônico que sempre privilegiou os interesses dos grandes proprietários de terra no Brasil, e também se vincula a um projeto maior de educação da classe trabalhadora, cujas bases se alicerçam na necessidade da construção de um outro projeto de sociedade e de Nação (Molina & Freitas, 2011, p. 19). Assim, para nortear a reflexão apresentada neste trabalho, são utilizados estudos sobre a ecologia dos saberes (Santos, 2014), que trata das relações de colonialidade do conhecimento científico com outros tipos de conhecimento na sociedade contemporânea, sobre interculturalidade (Fleuri, 2001;Walsh, 2009Walsh, , 2010Estermann, 2010;Guilherme & Dietz, 2015) e sobre o movimento da Educação no Campo no Brasil (Caldart, 2009;Antunes-Rocha, 2011;Molina & Freitas, 2011;Molina & Antunes-Rocha, 2014 ... a perspectiva (funcional) de interculturalidade ancora-se no reconhecimento da diversidade e diferença culturais, objetivando a inclusão da mesma no interior da estrutura social estabelecida. A partir desta perspectiva -que visa promover o diálogo, a convivência e a tolerância -, a interculturalidade é "funcional" para o sistema existente, não toca as causas da assimetria e da desigualdade sociais, tampouco "questiona as regras do jogo", por isso "é perfeitamente compatível com a lógica do modelo neoliberal existente" (Walsh, 2010, p. 77-78 ii Walsh (2009, p. 15) utiliza o termo "de-colonial", suprimindo o "s" de "descolonial" para marcar uma distinção com o significado dessa palavra em espanhol.…”
Section: Introductionunclassified
“…Este estudio de naturaleza cualitativa y exploratoria se basa en la investigación bibliográfica y documental. La reflexión teórica se produce desde la ecología de los saberes (Santos, 2014), que analiza las relaciones de colonialidad del conocimiento científico con otros tipos de conocimiento, así como la investigación sobre interculturalidad (Fleuri, 2001;Walsh, 2009Walsh, , 2010Estermann, 2010;Guilherme & Dietz, 2015) y Educación del Campo (Caldart, 2009;Antunes-Rocha, 2011;Molina & Freitas, 2011;Molina & Antunes-Rocha, 2014). Se espera que este trabajo estimule las propuestas que se comunican con el marco de la interculturalidad, promoviendo la ampliación de las perspectivas teóricas sobre la formación inicial del profesorado en el contexto de la Educación del Campo en Brasil.…”
unclassified