2000
DOI: 10.1590/s0101-546x2000000200005
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Do cativeiro ao mar: escravos na Marinha de Guerra

Abstract: O artigo procura revelar que, ao longo do século XIX, a Marinha de Guerra Brasileira era um dos caminhos seguidos pelos escravos fugidos para alcançar a liberdade. Já existem algumas obras que tratam dos escravos emancipados para a guerra do Paraguai. Contudo, temos somente alguns poucos comentários na historiografia sobre os escravos não-emancipados - que fugiam e burlavam os aparato policial e de recrutamento militar ao longo do século XIX. Analisei os ofícios trocados entre o chefe de polícia da Corte e o e… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1

Citation Types

0
2
0
2

Year Published

2012
2012
2023
2023

Publication Types

Select...
5

Relationship

0
5

Authors

Journals

citations
Cited by 5 publications
(4 citation statements)
references
References 1 publication
0
2
0
2
Order By: Relevance
“…A doença de que padecem os heróis (ou melhor, anti-heróis) é orgânica, além de moral ou situacional. (MOISÉS, 1992, p. 356-357) Valendo-se de um protagonista negro, Amaro, chamado Bom Crioulo por seu caráter "admiravelmente manso, quando se achava em seu estado normal" (CAMINHA, 2009, p. 37), o autor apresenta a história de um marinheiro negro, escravizado fugido, que se apaixona perdidamente pelo jovem grumete Aleixo, loiro e de "formas de homem tão bem torneadas, pesquisas de Álvaro Pereira do Nascimento (2000), que constrói um panorama da situação do homem negro nãoemancipado em fins do século XIX que, inegavelmente, dialoga de modo próprio com a temática deste artigo, no sentido de estabelecer a manutenção de um tropo sobre esse indivíduo na sociedade. braços assim, quadris rijos e carnudos como aqueles... Faltavam-lhe seios para que (...) fosse uma verdadeira mulher" (CAMINHA, 2009, p. 79).…”
Section: O Legado De Bom Crioulo: Exemplar Distorcido De Um Tropounclassified
“…A doença de que padecem os heróis (ou melhor, anti-heróis) é orgânica, além de moral ou situacional. (MOISÉS, 1992, p. 356-357) Valendo-se de um protagonista negro, Amaro, chamado Bom Crioulo por seu caráter "admiravelmente manso, quando se achava em seu estado normal" (CAMINHA, 2009, p. 37), o autor apresenta a história de um marinheiro negro, escravizado fugido, que se apaixona perdidamente pelo jovem grumete Aleixo, loiro e de "formas de homem tão bem torneadas, pesquisas de Álvaro Pereira do Nascimento (2000), que constrói um panorama da situação do homem negro nãoemancipado em fins do século XIX que, inegavelmente, dialoga de modo próprio com a temática deste artigo, no sentido de estabelecer a manutenção de um tropo sobre esse indivíduo na sociedade. braços assim, quadris rijos e carnudos como aqueles... Faltavam-lhe seios para que (...) fosse uma verdadeira mulher" (CAMINHA, 2009, p. 79).…”
Section: O Legado De Bom Crioulo: Exemplar Distorcido De Um Tropounclassified
“…(Jeha, 2011, p.190) In 1895 Adolfo Caminha published the novel O bom crioulo (The Good Creole), whose eponymous character was the gentle Amaro, a fugitive slave who had enlisted in the Brazilian navy as a cabin boy and who had become a free man. 78 Caminha had at least one long distance maritime experience and the opportunity to meet men such as Amaro when he left Rio de Janeiro on board the warship Almirante Barroso, in February 1890, for the United States, where he would spend a few months. The experience was reported in a travel book.…”
Section: Brazilians In the Nineteenth Centurymentioning
confidence: 99%
“…No período pós-escravidão, migrantes negros e mesmo os negros naturais da cidade, quando se movimentavam podiam ser presos sob suspeita de serem vagabundos. As relações de trabalho no limiar do novo regime político -a República -fez com que muitos sujeitos fossem impelidos a se empregar para não serem punidos com prisão (MENDONÇA, 2012) ou com alistamento na Marinha como observou Álvaro Nascimento (NASCIMENTO, 2000).…”
unclassified