2015
DOI: 10.1590/1982-021620150114
View full text |Buy / Rent full text
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: No Brasil, as práticas clínicas e educacionais em Comunicação Aumentativa e Alternativa têm sido ampliadas. Esse estudo tem como objetivo identificar as áreas do conhecimento brasileiras que pesquisam a Comunicação Aumentativa e Alternativa e suas contribuições. Fonoaudiologia, Fisioterapia, Terapia Ocupacional, Psicologia e Educação são as áreas que investigam a Comunicação Aumentativa e Alternativa, sendo a Fonoaudiologia a área mais expressiva a publicar. Apesar de ser uma área do conhecimento ainda em cons… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
2
1

Citation Types

0
1
0
5

Year Published

2016
2016
2021
2021

Publication Types

Select...
3

Relationship

1
2

Authors

Journals

citations
Cited by 6 publications
(6 citation statements)
references
References 18 publications
(17 reference statements)
0
1
0
5
Order By: Relevance
“…Os pesquisadores também alertaram que o uso dos sistemas de CAA não impossibilita a fala, uma vez que o trabalho realizado com as crianças com deficiência sem a oralidade deve estar direcionado para a construção da linguagem (Cesa & Mota, 2015;Higgins & Green, 2011). Nos estudos incluídos nesta revisão, identificou-se que as intervenções com a CAA facilitaram a codificação da estimulação auditiva (Comitê de Ajudas Técnicas, 2009), diminuiu a inteligibilidade de fala nas crianças (Araújo et al, 2018), e aumentou a série de produções verbais (Cesa & Mota, 2015), sendo a CAA utilizada também como recurso para estimulação verbal.…”
Section: Discussionunclassified
See 2 more Smart Citations
“…Os pesquisadores também alertaram que o uso dos sistemas de CAA não impossibilita a fala, uma vez que o trabalho realizado com as crianças com deficiência sem a oralidade deve estar direcionado para a construção da linguagem (Cesa & Mota, 2015;Higgins & Green, 2011). Nos estudos incluídos nesta revisão, identificou-se que as intervenções com a CAA facilitaram a codificação da estimulação auditiva (Comitê de Ajudas Técnicas, 2009), diminuiu a inteligibilidade de fala nas crianças (Araújo et al, 2018), e aumentou a série de produções verbais (Cesa & Mota, 2015), sendo a CAA utilizada também como recurso para estimulação verbal.…”
Section: Discussionunclassified
“…Pesquisas recentes têm relatado a efetividade do uso de CAA na qualidade de vida de pacientes e seus interlocutores (Araújo et al, 2018;Cesa & Mota, 2015), mesmo com a utilização de dispositivos de baixa tecnologia. Esses resultados apontam para a importância de os profissionais que atuam junto ao paciente com dificuldades de comunicação, como é o caso de muitos pacientes com PC, conhecerem os métodos de CAA, bem como seus modos de acesso e utilização, a fim de qualificar a inserção desses indivíduos na sociedade.…”
Section: Comunicação Alternativa Na Paralisia Cerebralunclassified
See 1 more Smart Citation
“…A literature 7 review article reveals that Speech, Language and Hearing Science therapy, physical therapy, occupational therapy, psychology and education are the areas that most investigate AAC, however, it is noteworthy that the research and clinical practice (application of knowledge) are distinct areas. In the same study the areathat most researches and publishes articles is Speech, Language and Hearing Science.…”
Section: Discussionmentioning
confidence: 99%
“…A literatura afirma que os recursos de CSA podem impactar positivamente as atividades realizadas no cotidiano (NUNES; DELGADO; WALTER 2011), proporcionar aquisição e desenvolvimento de habilidades comunicativas funcionais (LIGHT; MCNAUGHTON, 2013MCNAUGHTON, , 2014, favorecer participação nas atividades sociais e a expressão de necessidades, desejos e troca de informações (KENNEDY, 2010;ALMEIDA, 2015), beneficiar uma comunicação independente, autônoma e funcional (CESA; MOTA, 2015;MCNAUGHTON, 2012MCNAUGHTON, , 2015, estabelecer e manter relações sociais (PELOSI, 2009), promover melhoras na qualidade de vida (BRASIL, 2013).…”
Section: Introductionunclassified