1998
DOI: 10.1590/s0100-84041998000200011
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Composição florística e fitossociologia do componente arbóreo das florestas ciliares do rio Iapó, na bacia do rio Tibagi, Tibagi, PR

Abstract: Foram realizados estudos da composição florística e fitossociologia de 1 ha de floresta ciliar do rio Iapó (bacia do rio Tibagi), município de Tibagi, PR (24º31’S e 50º25’W) utilizando-se 100 parcelas contíguas de 10 x 10 m, tendo-se como critério de inclusão um diâmetro à altura do peito (DAP) mínimo de 5 cm. Para cada espécie amostrada foram estimados parâmetros relativos à freqüência, densidade e dominância, além do índice do valor de importância (IVI) e índice do valor de cobertura (IVC). O levantamento re… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
3
2

Citation Types

1
19
0
42

Year Published

2003
2003
2015
2015

Publication Types

Select...
8
1

Relationship

0
9

Authors

Journals

citations
Cited by 53 publications
(62 citation statements)
references
References 0 publications
1
19
0
42
Order By: Relevance
“…Dentre as espécies arbóreas, destacam-se as famílias Myrtaceae, com 15 espécies, Solanaceae, com seis, e Asteraceae, com cinco espécies. De fato, a família Myrtaceae vem sendo citada por vários autores como uma das famílias mais ricas na FOM (Negrelle & Silva 1992, Dias et al 1998, Koehler et al 1998, Insernhagen 2001. A alta riqueza de Solanaceae e Asteraceae pode ser explicada pelo estádio sucessional das áreas (Castella & Britez 2004, Liebsch & Acra 2004, pois a maioria encontra-se em estádio inicial de sucessão.…”
Section: Resultsunclassified
See 1 more Smart Citation
“…Dentre as espécies arbóreas, destacam-se as famílias Myrtaceae, com 15 espécies, Solanaceae, com seis, e Asteraceae, com cinco espécies. De fato, a família Myrtaceae vem sendo citada por vários autores como uma das famílias mais ricas na FOM (Negrelle & Silva 1992, Dias et al 1998, Koehler et al 1998, Insernhagen 2001. A alta riqueza de Solanaceae e Asteraceae pode ser explicada pelo estádio sucessional das áreas (Castella & Britez 2004, Liebsch & Acra 2004, pois a maioria encontra-se em estádio inicial de sucessão.…”
Section: Resultsunclassified
“…Solanaceae, com 39 espécies registradas, havia sido anteriormente reportada entre as famílias mais ricas da FOM na cidade de Curitiba (Roseira 1990), em São Mateus do Sul (Britez et al 1995) e em Irati (Galvão et al 1989). Myrtaceae (n = 15), como dito anteriormente, é freqüentemente citada como uma das famílias mais ricas dessa formação fl orestal (Negrelle & Silva 1992, Dias et al 1998, Koehler et al 1998, Insernhagen 2001, enquanto Melastomataceae (n = 11) não havia sido previamente reportada entre as famílias mais ricas em espécies da FOM.…”
Section: Resultsunclassified
“…A importância desta família também já foi ressaltada em trabalhos sobre matas como por exemplo Carvalho et al (1995); Dias et al (1998), Terborgh & Andresen (1998), Tabarelli & Mantovani (1999) e van den Berg & OliveiraFilho (2000). Martins (1993) afirmou que o predomínio de Leguminosae pode estar relacionado à presença de nódulos radiculares, que funcionam como mecanismo de retenção e transferência de nutrientes (nitrogênio) no ecossistema.…”
Section: Resultsunclassified
“…Estudos florísticos realizados no Estado do Paraná (Silva 1994, Dias et al 1998, Blum 2006, Reginato & Goldenberg 2007) também apontam Myrtaceae como a família de plantas lenhosas mais significativa em número de espécies. Em levantamento florístico realizado na Ilha do Mel, Menezes-Silva (1998) encontrou 31 espécies de Myrtaceae e cita a família como sendo destaque para as formações arbustivas e arbóreo-arbustivas, já que representam até 40% do total de espécies lenhosas amostradas.…”
Section: Introductionunclassified