2016
DOI: 10.5123/s2176-62232016000100006
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Avaliação das ações da vigilância de contatos domiciliares de pacientes com hanseníase no Município de Igarapé-Açu, Estado do Pará, Brasil

Abstract: RESUMOA redução do risco de adoecimento entre os contatos domiciliares de casos é um dos alvos das ações de vigilância e controle da hanseníase. Esta pesquisa teve como objetivo avaliar as ações de vigilância de contatos de hanseníase no Município de Igarapé-Açu, Estado do Pará, Brasil, no período de 2004 a 2008. Foi realizado um estudo descritivo, retrospectivo, quantitativo e populacional, com informações geradas pelo Sistema Nacional de Agravos de Notificação (Sinan) e por protocolo de pesquisa próprio, ten… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
1

Citation Types

5
16
0
18

Year Published

2016
2016
2021
2021

Publication Types

Select...
7
1

Relationship

0
8

Authors

Journals

citations
Cited by 27 publications
(39 citation statements)
references
References 12 publications
5
16
0
18
Order By: Relevance
“…Saúde Pública 2018; 34(1):e00196216 dificuldades dos serviços de saúde para desenvolver as ações de vigilância do contato, mesmo após a ampliação da cobertura da atenção básica no estado nos últimos anos 22 . Ao longo da série histórica foram quase 50 mil contatos não avaliados, realidade semelhante a outras pesquisas que apontaram para precariedade deste indicador 13,23 . Um estudo realizado no Município de Cuiabá, Mato Grosso, verificou dificuldades no acesso dos contatos intradomiciliares ao exame, sendo que, entre os motivos identificados, foram verificadas: centralização da realização de exames de baciloscopia, ausência de atividades educativas e falta de sistematização no agendamento da consulta 24 .…”
Section: Discussionunclassified
See 1 more Smart Citation
“…Saúde Pública 2018; 34(1):e00196216 dificuldades dos serviços de saúde para desenvolver as ações de vigilância do contato, mesmo após a ampliação da cobertura da atenção básica no estado nos últimos anos 22 . Ao longo da série histórica foram quase 50 mil contatos não avaliados, realidade semelhante a outras pesquisas que apontaram para precariedade deste indicador 13,23 . Um estudo realizado no Município de Cuiabá, Mato Grosso, verificou dificuldades no acesso dos contatos intradomiciliares ao exame, sendo que, entre os motivos identificados, foram verificadas: centralização da realização de exames de baciloscopia, ausência de atividades educativas e falta de sistematização no agendamento da consulta 24 .…”
Section: Discussionunclassified
“…É estratégico, portanto, o alcance de boa cobertura e qualidade das ações voltadas para o exame de contatos, a fim de reduzir a carga da doença 13 . Uma vez diagnosticados casos da doença, os serviços de saúde deveriam empreender todos os esforços necessários para a garantia de atenção integral à saúde dentro da longitudinalidade do cuidado, com vistas ao alcance de objetivos que vão além da cura microbiológica da infecção.…”
Section: Introductionunclassified
“…Quanto aos contatos registrados, percebeu-se que 89,2% não foram avaliados, similar ao observado por outro estudo que teve como objetivo avaliar as ações de vigilância de contatos de hanseníase no Município de Igarapé-Açu, estado do Pará, no período de 2004 a 2008, no qual a maioria dos contatos registrados não haviam sido avaliados pelos serviços de saúde (LOBATO et al, 2016). Sabe-se que a avaliação dos contatos é um fator primordial para quebra de transmissão da doença, a realização de uma efetiva busca ativa pode contribuir para a diminuição dos índices elevados de não cobertura do comunicante de individuo com hanseníase.…”
Section: Discussionunclassified
“…Quanto à avaliação do indicador "Proporção de contatos examinados de casos novos de hanseníase diagnosticados no ano de coorte" classificado como "Precário", observou-se classificação semelhante à encontrada no estado da Bahia e em município do Pará, onde também houve padrão insatisfatório de avaliação (2,15) , refletindo nos baixos percentuais de entrada de casos novos com base nos contatos. Estes dados revelam possíveis dificuldades dos serviços de saúde para desenvolver as ações de vigilância do contato.…”
unclassified