2019
DOI: 10.1590/1980-4369e2019008
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Um jornalista combatente: Clóvis Moura, Flama e a política cultural do PCB (1951-1952)

Abstract: Resumo Clóvis Moura (1925-2003) tem sido estudado por suas obras mais conhecidas de História e Sociologia, algumas delas hoje com o estatuto de clássico, como Rebeliões da Senzala. No entanto, uma importante dimensão de sua atividade intelectual, a de jornalista, permanece obscura, apesar de relevante. Neste artigo, pretende-se abordar a revista Flama, por ele criada e dirigida na cidade de Araraquara (SP), no âmbito da política de Frente Cultural desenvolvida pelo Partido Comunista Brasileiro (PCB). De duraçã… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1

Citation Types

0
0
0
1

Year Published

2021
2021
2023
2023

Publication Types

Select...
3

Relationship

0
3

Authors

Journals

citations
Cited by 3 publications
(1 citation statement)
references
References 3 publications
0
0
0
1
Order By: Relevance
“…Por sinal, a produção literária do jovem de Amarante, àquela altura residente em Juazeiro, foi bem recebida primeiramente nos pequenos periódicos independentes, como nos mostra a carta de Darwin Brandão com quem Clóvis Moura manteve uma amizade de longa data, chegando posteriormente dedicar-lhe em memória o livro Quilombos: resistência ao escravismo (1993) Moura também foi secretário de redação da revista Fundamentos (1952)(1953)(1954)(1955), redator chefe de reportagem do jornal Notícias de Hoje (1953)(1954). No curto período em que viveu na cidade de Araraquara, interior de São Paulo, o autor fundou a Revista Flama (1952)(1953), alinhada à política pecebista (MALATIAN, 2018a;OLIVEIRA, 2009).…”
Section: Sociabilidade Formação Intelectual Política E Vida Culturalunclassified
“…Por sinal, a produção literária do jovem de Amarante, àquela altura residente em Juazeiro, foi bem recebida primeiramente nos pequenos periódicos independentes, como nos mostra a carta de Darwin Brandão com quem Clóvis Moura manteve uma amizade de longa data, chegando posteriormente dedicar-lhe em memória o livro Quilombos: resistência ao escravismo (1993) Moura também foi secretário de redação da revista Fundamentos (1952)(1953)(1954)(1955), redator chefe de reportagem do jornal Notícias de Hoje (1953)(1954). No curto período em que viveu na cidade de Araraquara, interior de São Paulo, o autor fundou a Revista Flama (1952)(1953), alinhada à política pecebista (MALATIAN, 2018a;OLIVEIRA, 2009).…”
Section: Sociabilidade Formação Intelectual Política E Vida Culturalunclassified