2011
DOI: 10.1590/s0044-59672011000400010
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Tree communities of white-sand and terra-firme forests of the upper Rio Negro

Abstract: The high tree diversity and vast extent of Amazonian forests challenge our understanding of how tree species abundance and composition varies across this region. Information about these parameters, usually obtained from tree inventories plots, is essential for revealing patterns of tree diversity. Numerous tree inventories plots have been established in Amazonia, yet, tree species composition and diversity of white-sand and terra-firme forests of the upper Rio Negro still remain poorly understood. Here, we pre… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1
1

Citation Types

4
62
0
11

Year Published

2013
2013
2023
2023

Publication Types

Select...
4
4
1

Relationship

0
9

Authors

Journals

citations
Cited by 59 publications
(77 citation statements)
references
References 32 publications
4
62
0
11
Order By: Relevance
“…Por outro lado, a baixa riqueza e diversidade florística registrada em áreas de ecótono (Floresta Estacional Decidual/ Floresta Ombrófila), nas bacias dos Rios Piranhas e Muricizal, pode estar relacionada com a pequena extensão natural dessas florestas, que influencia processos evolutivos desenvolvidos em grande escala temporal e espacial, conforme constatado por Stropp et al (2011).…”
Section: Padrões Florísticos E Diversidade De Espécies Das Florestas unclassified
See 1 more Smart Citation
“…Por outro lado, a baixa riqueza e diversidade florística registrada em áreas de ecótono (Floresta Estacional Decidual/ Floresta Ombrófila), nas bacias dos Rios Piranhas e Muricizal, pode estar relacionada com a pequena extensão natural dessas florestas, que influencia processos evolutivos desenvolvidos em grande escala temporal e espacial, conforme constatado por Stropp et al (2011).…”
Section: Padrões Florísticos E Diversidade De Espécies Das Florestas unclassified
“…Respeitando os aspectos fisionômicos e florísticos apresentados nesse estudo, concluímos que é pertinente a utilização da nomenclatura ecótono (Floresta Estacional Decidual/Floresta Ombrófila) em conformidade com o Manual de Classificação da Vegetação Brasileira (Veloso et al 1991), embora se tenha observado similaridade florística dessas áreas com as Campinaranas da Amazônia (Vicentini 2004;Jirka et al 2007;Stropp et al 2011) e com as Florestas Estacionais, denominadas localmente de carrascos no Piauí (Haidar et Florestas estacionais e áreas de ecótono no estado do Tocantins, Brasil: parâmetros estruturais, classificação das fitofisionomias florestais e subsídios para conservação al. 2010a).…”
Section: Fitofisionomias Ambientes E Nomenclatura Das Florestas Inveunclassified
“…Essa variação pode ser explicada em função da estrutura vegetal que, por sua vez, está atrelada às condições ambientais locais e aos fatores aleatórios, como limitação da dispersão, ocorrência de patógenos, disponibilidade de nutrientes no solo e o padrão de distribuição espacial das plantas (STROPP et al, 2011). Este último parece contribuir significativamente para as diferenças entre os dois habitat estudados.…”
Section: Dias D M Et Al 726unclassified
“…Stropp (2011b), ao amostrar 4 hectares em campinaranas e a mesma área em florestas de terra firme encontrou, respectivamente, 290 e 417 espécies para estes tipos. Alguns fatores podem explicar esta observação:…”
Section: Fatores Que Explicam a Diversidade Das Campinas E Campinaranasunclassified