2012
DOI: 10.1590/s0101-73302012000100017
| View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: RESUMO: Este artigo, com base em uma revisão bibliográfi ca, apresenta uma análise da qualifi cação do trabalho docente como produto e produtora de uma construção social. Nessa ótica, argumenta que as condições sociais vividas pelos professores e professoras levam ao reconhecimento diferenciado do trabalho docente e que, embora a área educacional seja eminentemente feminina, ainda se reconhecem, como trabalho docente qualifi cado, os atributos masculinos. Além desse aspecto, argumenta que a confi guração da qu… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1

Citation Types

0
0
0
4

Year Published

2020
2020
2021
2021

Publication Types

Select...
2
2

Relationship

0
4

Authors

Journals

citations
Cited by 4 publications
(4 citation statements)
references
References 1 publication
0
0
0
4
Order By: Relevance
“…Considerando-se esses totais, verifica-se que são majoritárias as parcelas de docentes que atuam em regiões urbanas e são do sexo feminino, sendo que o contexto geral brasileiro é análogo ao contexto específico gaúcho (detalhes na Figura 1). A preponderância de docentes com sexo feminino é descrita com maior complexidade, na literatura acadêmica, com base nas discussões que enfocam o gênero e os processos de feminização dessa profissão (FERREIRA, 2004;DURÃES, 2012;CARVALHO et al, 2018), pontuando-se que esses fenômenos envolvem uma construção histórica e social brasileira "que ajuda a explicar as relações de poder que definem a divisão sexual do trabalho e a inserção das mulheres em profissões ligadas a funções consideradas femininas e socialmente mais desvalorizadas" (VIANNA, 2002, p. 93). Compondo esse perfil sociocultural docente no RS, segundo os dados consultados (BRASIL, 2018b), acrescenta-se a preponderância de profissionais que se autodeclaram brancos (acima de 70%) para o item cor/ raça (Figura 2), havendo grande contingente de sujeitos com cor/ raça não declarada.…”
Section: Resultados E Discussõesunclassified
See 1 more Smart Citation
“…Considerando-se esses totais, verifica-se que são majoritárias as parcelas de docentes que atuam em regiões urbanas e são do sexo feminino, sendo que o contexto geral brasileiro é análogo ao contexto específico gaúcho (detalhes na Figura 1). A preponderância de docentes com sexo feminino é descrita com maior complexidade, na literatura acadêmica, com base nas discussões que enfocam o gênero e os processos de feminização dessa profissão (FERREIRA, 2004;DURÃES, 2012;CARVALHO et al, 2018), pontuando-se que esses fenômenos envolvem uma construção histórica e social brasileira "que ajuda a explicar as relações de poder que definem a divisão sexual do trabalho e a inserção das mulheres em profissões ligadas a funções consideradas femininas e socialmente mais desvalorizadas" (VIANNA, 2002, p. 93). Compondo esse perfil sociocultural docente no RS, segundo os dados consultados (BRASIL, 2018b), acrescenta-se a preponderância de profissionais que se autodeclaram brancos (acima de 70%) para o item cor/ raça (Figura 2), havendo grande contingente de sujeitos com cor/ raça não declarada.…”
Section: Resultados E Discussõesunclassified
“…Na literatura educacional, nas últimas duas décadas, o trabalho docente é tema recorrente, tendo como foco: condições de sua realização (OLIVEIRA, 2004;SHIROMA;LIMA-FILHO, 2011;LANTHEAUME, 2012;SILVA, 2017;TUNDIS et al, 2018;MELO, 2018);desenvolvimento profissional (JACOMINI;PENNA, 2016;OLIVEIRA;NUNES, 2017;BAROLLI et al, 2019); problemas relacionado à remuneração (ALVES; PINTO, 2011;BARBOSA, 2011); desprestígio profissional (LAPO; BUENO, 2003); saúde dos profissionais, tanto em âmbito nacional (BARROS; LOUZADA, 2007; ARAÚJO; CARVALHO, 2009;LEITE, 2011;PIZZIO;KLEIN, 2015;MOURA et al, 2019) Além disso, as pesquisas também discutem questões atreladas à identidade e aos saberes docentes (TEIXEIRA, 2007;MOLINA-NETO, 2010;MOURAZ, 2015;MESQUITA, 2020a); participação política e sindical do magistério (GENTILI et al, 2004;FERREIRA, 2007); autonomia profissional (TENTI-FANFANI, 2007; BARROS; AZEVEDO, 2016); discussões sobre gênero e trabalho do magistério (VIANNA, 2002;FERREIRA, 2004;DURÃES, 2012;CARVALHO et al, 2018); o papel da pesquisa nas práticas docentes (ABDALLA, 2005;TARDIF;ZOURHLAL, 2005); conexões do trabalho com a formação docente (BARRETTO, 2010;NASCIMENTO;REIS, 2017;PUGLIESE, 2017;…”
Section: Trabalho Docente Na Literaturaunclassified
“…Isso está expresso na Tabela 2 a seguir. Tomando por base os dados obtidos da Capes em relação aos titulados, cujos textos compõem a amostra selecionada, pode-se afirmar que, também nesses Programas de Pós-Graduação da área de Educação, a presença feminina é majoritariamente superior à masculina, o que reforça resultados obtidos em outras pesquisas (DURÃES, 2012;PRÁ;CEGATTI, 2016). Dentre os 657 titulados integrantes da amostra, cujas defesas de dissertação e tese aconteceram nos anos de 2013 e 2017, há 479 (72,91%) pessoas do sexo feminino e somente 178 (27,09%) do sexo masculino.…”
Section: Procedimentos éTicosunclassified
“…educação consolidada pelo abandono dos homens em decorrência da sua desvalorização. Da mesma maneira outras ocupações, como a saúde, passaram por um processo de desqualificação e consequente feminização (DURÃES, 2012)…”
unclassified