2007
DOI: 10.1590/s1676-06032007000300040
View full text |Buy / Rent full text
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: Sinningia gigantifolia Chautems é uma espécie rupícola restrita à Serra da Mantiqueira e partes altas da Serra do Mar, que ocorre principalmente em formações florestais. O presente trabalho apresenta o primeiro registro desta espécie para o Estado de São Paulo, na Serra do Baú, em São Bento do Sapucaí. Uma descrição completa da espécie, uma análise da sua distribuição e uma alteração na chave de identificação do gênero Sinningia da Flora Fanerogâmica do Estado de São Paulo são fornecidas.

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
1
1
1

Citation Types

0
0
0
5

Year Published

2010
2010
2015
2015

Publication Types

Select...
3
1

Relationship

0
4

Authors

Journals

citations
Cited by 4 publications
(3 citation statements)
references
References 2 publications
(3 reference statements)
0
0
0
5
Order By: Relevance
“…ocorre na serra da Mantiqueira, desde a divisa de são Paulo até o sul de Minas Gerais, além da serra do brigadeiro e Parque Nacional do caparaó, na divisa com o espírito santo. esta espécie foi recentemente registrada para o estado de são Paulo por Arzolla et al (2007). este novo registro é, segundo os autores, um elo entre a região de Itatiaia, no estado do rio de Janeiro, e os municípios de extrema e o distrito de Monte Verde, no município de camanducaia, na divisa entre os estados de Minas Gerais e são Paulo, onde essa espécie já havia sido coletada.…”
Section: Resultsunclassified
“…Sinningia gigantifolia foi coletada no alto da queda da Cachoeira do Jujú, na face norte do Parque, próximo ao Pico do Papagaio e da Mata do Cambuí, respectivamente ao sul e sudeste, e observada também em afloramentos rochosos do campo de altitude no Pico do Chorão no setor norte do Parque, Serra da Careta a leste e na Serra do Canjica a oeste do Parque, no Pico do Santo Agostinho. Pode ser reconhecida pela presença de folhas grandes e inflorescência totalmente glabra em comparação com as demais espécies do gênero registradas no PESP, além da base do caule aéreo perene e tubérculo que pode alcançar grandes dimensões (Arzolla et al 2007).…”
Section: Sinningia Gigantifoliaunclassified
“…É uma espécie endêmica do Brasil com distribuição restrita aos estados da Região Sudeste (Araújo & Chautems 2012). O período de floração vai de setembro a abril (Arzolla et al 2007). No Parque foi observada em flor nos meses de novembro a janeiro.…”
Section: Sinningia Gigantifoliaunclassified
“…br). Essa região, que apesar de apresentar um grande número de espécies, principalmente de Orchidaceae, não possuía nenhum trabalho específico de flora nem no município de Campos do Jordão nem nos municípios próximos; apenas alguns poucos trabalhos, como o de Pereira- Silva et al (2007) que fizeram uma caracterização florística da vegetação lenhosa de um fragmento urbano de floresta ombrófila mista e o de Arzolla et al (2007) que registraram nova ocorrência de uma espécie de Gesneriaceae de coletas isoladas (Arzolla et al 2007). Para os campos de altitude, não havia, até o momento, nenhum trabalho que procurasse inventariar as orquídeas ocorrentes, não obstante esse tipo de vegetação se encontre tão ameaçado pelo avanço do crescimento urbano, o que ressalta a importância deste estudo para se obter um conhecimento mais detalhado sobre as espécies da região, enriquecer o conhecimento sobre a flora local e auxiliar na preservação desses habitats.…”
Section: Introductionunclassified
“…Considerando o Brasil, citam-se trabalhos descritivos (RIZZINI & MATOS FILHO, 1992), de ecologia de comunidades e fisioecologia (MEIRELLES, 1990;MEIRELLES, 1996;LÜTTGE, 1997;SACARANO, 2002) e levantamentos e abordagens florísticas e fitogeográficas (BRADE, 1956;CARAUTA & OLIVEIRA, 1984;ANDRADE et al, 1986;GIULIETTI, 1987;MEIRA-NETO et al, 1989;MEIRELLES, 1990;GRILLO & GIULIETTI, 1998;ASSIS, 2004;CAIAFA, 2002;ARZOLLA et al, 2007;RIBEIRO et al, 2007). Aqui, a atenção é focada à flora rupestre atualmente "ilhada" em refúgios condicionados por efeitos de solo e topografia de serras da floresta tropical atlântica do sudeste brasileiro, os quais promovem, nesta que é uma fase "quente e úmida" da América do Sul, a persistência relictual de uma biodiversidade "ameaçada", acredita-se, não por movimentos de massa ou alterações climáticas, mas pela presença humana.…”
Section: Os Estudos Técnicos Desenvolvidos Durante a Vigência Da Limiunclassified