2015
DOI: 10.1590/1983-2117201517s02
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

O Papel Da Argumentação No Ensino De Ciências: Lições De Um Workshop

Abstract: RESUMO: O objetivo do presente artigo é apresentar e dialogar com os trabalhos produzidos neste número especial, resultado de palestras proferidas no workshopArgumentação no Ensino de Ciências. Os três primeiros artigos discutem mais especificamente a argumentação como prática epistêmica da ciência. O quarto e o quinto propõem elementos orientadores para o planejamento de Ambientes de Aprendizagem argumentativos e, juntamente com os três primeiros, assumem o ensino por investigação/modelagem como abordagem pri… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1
1

Citation Types

0
0
0
25

Year Published

2018
2018
2019
2019

Publication Types

Select...
5
3

Relationship

1
7

Authors

Journals

citations
Cited by 21 publications
(25 citation statements)
references
References 10 publications
(14 reference statements)
0
0
0
25
Order By: Relevance
“…Ela envolve o entendimento dos alunos em relação aos conceitos científicos, principalmente quando as palavras usadas na ciência têm sentido distinto no cotidiano (Lopes, 2007), e fornece um caminho seguro para investigar as interações entre professor-aluno como forma de mapear o processo de ensino-aprendizagem (Mortimer, 2002). Recentemente essa preocupação se ampliou para formar professores conscientes da importância da linguagem nas interações com os estudantes (Mortimer e Scott, 2002) considerar a multimodalidade da linguagem (Mortimer et al, 2014) e as construções de argumentos por parte dos alunos (Scarpa, 2015).…”
Section: Palabras Claveunclassified
“…Ela envolve o entendimento dos alunos em relação aos conceitos científicos, principalmente quando as palavras usadas na ciência têm sentido distinto no cotidiano (Lopes, 2007), e fornece um caminho seguro para investigar as interações entre professor-aluno como forma de mapear o processo de ensino-aprendizagem (Mortimer, 2002). Recentemente essa preocupação se ampliou para formar professores conscientes da importância da linguagem nas interações com os estudantes (Mortimer e Scott, 2002) considerar a multimodalidade da linguagem (Mortimer et al, 2014) e as construções de argumentos por parte dos alunos (Scarpa, 2015).…”
Section: Palabras Claveunclassified
“…A experimentação é uma metodologia específica, mais relacionada com o teste de hipóteses, enquanto a exploração permite o uso de diversas estratégias para coleta, organização e sistematização dos dados e informações relevantes que poderão se constituir como evidências para a construção de explicações que respondam à questão. A utilização de diversas estratégias didáticas na perspectiva do EnCI pode contribuir para o desenvolvimento de visões mais adequadas sobre as diversas formas de produção de conhecimento científico, além de contemplar diversos perfis de alunos e estilos de ensinar (Scarpa;Silva, 2013). Na interpretação dos dados, os conceitos são mobilizados para explicar os dados e novos conhecimentos são construídos.…”
Section: O Ensino De Ciências Por Investigaçãounclassified
“…Do ponto de vista da educação científica, mudanças significativas também ocorreram com relação ao papel e aos objetivos do ensino de Ciências ao longo do tempo. Se nas décadas de 1950-1960 o componente curricular de ciências estava comprometido a formar uma elite que se interessasse em seguir carreira científica para garantir a hegemonia norte-americana na conquista do espaço ou para impulsionar o processo de industrialização brasileiro (Krasilchik, 2000), hoje testemunhamos a contribuição do ensino de disciplinas científicas na formação integral do estudantes, ou seja, em uma formação que permita a construção de ferramentas cognitivas para que o indivíduo possa se posicionar e tomar decisões bem informadas em um mundo repleto de tecnologia e ciência (Scarpa;Sasseron;Silva, 2017).…”
unclassified
“…As autoras acreditam que o engajamento em atividades que envolvem argumentação gera uma experiência metacognitiva de pensar sobre o próprio pensamento, o que possibilita avaliação, reformulação e tomada de consciência de suas ações. Scarpa (2015) faz uma aproximação entre argumentação e pensamento crítico. Para a autora, o pensamento crítico não se satisfaz com afirmações categóricas, sem embasamento, mas avalia a solidez dos conteúdos e das relações estabelecidas entre conclusões, dados e justificativas, exigindo ponderação acerca da argumentação estabelecida em comunidades comunicacionais.…”
Section: A Argumentação Na Educaçãounclassified