2022
DOI: 10.1590/1980-4369e2022023
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Negócios e política no Atlântico em meados do XIX: a atuação dos cônsules de Portugal nos portos do Recife e do Rio de Janeiro

Abstract: Resumo Entre 1826 e 1863, três homens de uma mesma família, os Moreira, foram cônsules de Portugal no Recife e no Rio de Janeiro, articulando negócios pelo Atlântico e prestando serviços de natureza variada. Neste trabalho, estudo as disputas nas quais se envolveram e os diferentes papéis que assumiram. Fica claro como cuidavam dos relacionamentos políticos; no Brasil, tiveram acesso direto ao regente e a ministros, além da família real. Ao mesmo tempo em que eram traficantes e azeitaram as engrenagens do tráf… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
1

Citation Types

0
0
0
4

Year Published

2024
2024
2024
2024

Publication Types

Select...
2
1

Relationship

0
3

Authors

Journals

citations
Cited by 3 publications
(4 citation statements)
references
References 4 publications
0
0
0
4
Order By: Relevance
“…O cronista colonial pioneiro, frei Vicente doSalvador 1564Salvador -1636, focalizou o povoamento do Brasil no segundo século da colonização, quando os territórios das capitanias hereditárias se fragmentavam em sesmarias(SALVADOR, 1954;OLIVEIRA, 2008;NICODEMOS, 1971). No século XVI, manifestaram-se em cartas a confrades e superiores da ordem jesuítica e governamentais, dentre outros: o lusitano Pero Lopes deSouza (1497Souza ( -1539, que relatou a expedição de Martim Afonso de Souza (P.SOUSA, 1839; CALMON, 1949, p. 113-131;P.…”
unclassified
“…O cronista colonial pioneiro, frei Vicente doSalvador 1564Salvador -1636, focalizou o povoamento do Brasil no segundo século da colonização, quando os territórios das capitanias hereditárias se fragmentavam em sesmarias(SALVADOR, 1954;OLIVEIRA, 2008;NICODEMOS, 1971). No século XVI, manifestaram-se em cartas a confrades e superiores da ordem jesuítica e governamentais, dentre outros: o lusitano Pero Lopes deSouza (1497Souza ( -1539, que relatou a expedição de Martim Afonso de Souza (P.SOUSA, 1839; CALMON, 1949, p. 113-131;P.…”
unclassified
“…Em 1969, a chamada "Lei Disco é Cultura" é promulgada, oferecendo às majors a possibilidade de abater parte dos impostos no pagamento de direitos autorais a compositores e intérpretes brasileiros. Com isso, além de trazer ao país discos já lucrativos no exterior, tinham incentivo fiscal para produzir o disco nacional, favorecendo o aumento de seus casts com o que havia de mais popular e até mesmo de músicos com menor potencial de venda (Oliveira, 2018).…”
Section: Caipiras E Sertanejosunclassified
“…Ainda segundo Claudio Oliveira (2018), as gravadoras nacionais denunciavam à época o "jogo duro" praticado pelas multinacionais. Neste sentido, uma estratégia da indústria brasileira do disco foi fixar-se na produção de música popular massiva: por um lado, românticos como Amado Batista e Waldick Soriano, e por outro, "regionais" como o gaúcho Teixeirinha e a música sertaneja.…”
Section: Caipiras E Sertanejosunclassified
“…[...] [Herculano, Quental] ao considerarem o conceito de decadência como central para o entendimento da história portuguesa, perspectiva que, no século XIX, já havia aparecido, por exemplo, no Bosquejo da história da poesia e língua portuguesa, publicado por Almeida Garret em 1826, neste caso para analisar uma história específica, a da literatura portuguesa. Mas a proximidade entre os textos de Herculano e Antero é ainda mais significativa: ambos deslocam o período da grandeza para a Idade Média, veem o século XVI como uma época de decadência e apontam sintonias entre seu presente e a época medieval 639 .…”
Section: -unclassified