DOI: 10.11606/t.8.2018.tde-20022018-112511
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Mulheres negras em movimento: ativismo transnacional na América Latina (1980-1995)

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
1
1

Citation Types

0
0
0
3

Publication Types

Select...
2
1

Relationship

0
3

Authors

Journals

citations
Cited by 3 publications
(4 citation statements)
references
References 9 publications
0
0
0
3
Order By: Relevance
“…Devemos acrescentar à lista dos critérios sistematizados acima, a representação positiva das mulheres negras que pode ser identificada no conteúdo da poesia de Solano Trindade, qualificando-o como um sujeito atento e antecipador de questões que foram colocadas apenas a partir dos anos 1980 e intensificadas na primeira década do século XXI, com o revisionismo historiográfico (CHALHOUB; PINTO, 2016;FARIAS, 2012;ZAMBRANO, 2017).…”
Section: Mots Clésunclassified
“…Devemos acrescentar à lista dos critérios sistematizados acima, a representação positiva das mulheres negras que pode ser identificada no conteúdo da poesia de Solano Trindade, qualificando-o como um sujeito atento e antecipador de questões que foram colocadas apenas a partir dos anos 1980 e intensificadas na primeira década do século XXI, com o revisionismo historiográfico (CHALHOUB; PINTO, 2016;FARIAS, 2012;ZAMBRANO, 2017).…”
Section: Mots Clésunclassified
“…Foram intelectuais e ativistas ligados a associações e movimentos sociais negros, especialmente nesse final dos anos 1970. Oliveira e Oliveira foi o último presidente da Associação Cultural do Negro (ACN, 1954(ACN, -1976, importante coletivo de ativistas e intelectuais negros paulistanos (Silva, 2012;2017), e também o responsável pela preservação da memória daquela associação. González, naquele momento, tem participação no Movimento Negro Unificado (MNU), criado em 1978, com o qual Oliveira e Oliveira também manterá contato.…”
Section: Novas Lutas E Enquadramentos: Violência Memória Redemocratiz...unclassified
“…A literatura mais recente tem demonstrado a dedicação teórico-conceitual dos mais novos em disputar a incorporação dessas autoras no cânone acadêmico, ou seja, são educadores (as) e intelectuais tributários (as) das gerações militantes anteriores que têm chegado desde os últimos dois decênios aos programas de pósgraduação e às cadeiras da docência universitária. Em especial, a biografia de Lélia corresponde a própria memória política e afetiva dos militantes, artistas e ativistas, a sua vida e obra confunde-se com o histórico da luta política dos Movimentos Sociais Negros e do Movimento de Mulheres Negras em âmbito nacional e latino-americano e caribenho como acordado por Luiza Bairros (2000), Alex Ratts e Flávia Rios (2010) e Catalina González Zambrano (2017).…”
Section: Os Anos De 1960 a 1970: Fanon Sob Vistas Grossas Da Ditadura Civilmilitar?unclassified
“…Dessa forma, ao disputar a presença nesses espaços, Lélia González demonstra se situar politicamente em dois movimentos quais sejam, a busca pela inserção das intelectuais brasileiras nas agendas transnacionais, historicamente, inauguradas pelos encontros de negros diaspóricos e africanos, e por outro lado a filósofa compreende a importância de alinhar a escala regional (América Latina e Caribe) a nacional (Brasil) para concretizar os interesses dos Movimentos Sociais Negros e do Movimento de Mulheres Negras (ZAMBRANO, 2017). A necessidade de afirmar as contribuições de Lélia González e Neusa Santos Souza ou pensá-las como leitoras de Frantz Fanon (1968Fanon ( e 2008, é propor uma reflexão sobre a importância da circulação das traduções deste martinicano no país, e afirmar que trata-se de uma agenda política protagonizada por mulheres negras que desenvolveram teoricamente os debates raciais no Brasil no período de 1980 a 1990.…”
Section: Os Anos De 1960 a 1970: Fanon Sob Vistas Grossas Da Ditadura Civilmilitar?unclassified