2008
DOI: 10.1590/s0104-59702008000500002
View full text |Buy / Rent full text
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: A trajetória de uma das 'mães-fundadoras' das ciências sociais cariocas, Marina de Vasconcellos, herdeira de Arthur Ramos, permite entender a afirmação da antropologia na cidade do Rio de Janeiro. Os conflitos e alianças, as continuidades e descontinuidades explicam a pioneira Sociedade Brasileira de Antropologia e Etnologia e o Instituto de Ciências Sociais, ambos na Faculdade Nacional de Filosofia. Marina vivenciou o confronto entre diferentes modelos do fazer antropológico, em tempos de institucionalização … Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1

Citation Types

0
0
0
1

Year Published

2019
2019
2019
2019

Publication Types

Select...
1

Relationship

0
1

Authors

Journals

citations
Cited by 1 publication
(1 citation statement)
references
References 2 publications
(1 reference statement)
0
0
0
1
Order By: Relevance
“…Interessante notar que em meio a essas orientações encontramos o nome de Mariana de Vasconcellos, que veio a se tornar sua assistente e posteriormente sucessora na cátedra de Antropologia e Etnografia (Ribeiro, 2008), de modo que, de fato, o curso acaba cumprindo uma de suas finalidades, de recrutar assistentes para a cátedra. Seu tema de tese era "A revolta dos malês na Bahia, e sua interpretação contra aculturativa", para a qual Arthur Ramos indicou a participação no seminário de aculturação do curso de Doutorado, parte do curso de etnografia do Brasil referente ao negro e curso de árabe, além de pesquisas em arquivos, com destaque para o Arquivo Público de São Paulo e de São Salvador.…”
Section: O Professor Arthur Ramosunclassified