DOI: 10.11606/t.23.2009.tde-26022010-090028
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Incidência de cárie em crianças e adolescentes com paralisia cerebral no contexto brasileiro

Abstract: Cada um que passa em nossa vida passa sozinho, pois cada pessoa é única e nenhuma substitui outra. Cada um que passa em nossa vida, passa sozinho, mas não vai só nem nos deixa sós. Leva um pouco de nós mesmos, deixa um pouco de si mesmo. Há os que levam muito, mas há os que não levam nada. Essa é a maior responsabilidade de nossa vida, e a prova de que duas almas não se encontram ao acaso. " (Antoine de Saint-Exupéry) Agradecimentos Especiais Ao meu orientador, Prof. Dr. José Leopoldo Ferreira Antunes, por tud… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1

Citation Types

0
0
0
3

Publication Types

Select...
2
1

Relationship

0
3

Authors

Journals

citations
Cited by 3 publications
(3 citation statements)
references
References 37 publications
0
0
0
3
Order By: Relevance
“…[22][23][24] Em 2005 um grupo de 124 pacientes não-institucionalizados com PC foram submetidos à avaliação dos reflexos infantis primitivos e patológicos e seus efeitos sobre cárie dentária e higiene bucal. 25…”
unclassified
“…[22][23][24] Em 2005 um grupo de 124 pacientes não-institucionalizados com PC foram submetidos à avaliação dos reflexos infantis primitivos e patológicos e seus efeitos sobre cárie dentária e higiene bucal. 25…”
unclassified
“…Segundo Camargo (1999), os profissionais que integram a equipe multidisciplinar de reabilitação em PC são: fisioterapeuta, psicólogo, fonoaudiólogo e terapeuta ocupacional. É de suma importância que os profissionais de saúde estejam interligados, para que possam contribuir de forma significativa, na reabilitação de uma pessoa com Paralisia Cerebral.…”
Section: Paralisia Cerebralunclassified
“…Era rara a presença do pai ou de outros homens nos processos terapêuticos e escolares dos alunos, situação confirmada por Camargo(1997), Buscaglia (1997) Os familiares, especialmente as mães, não podem cumprir apenas o papel de provedores de informações que levam os profissionais a compreenderem melhor todo o processo evolutivo de uma criança deficiente e realizarem avaliação rigorosa; nem de meros auxiliares do profissional que busca atingir suas metas junto a uma criança deficiente. A parceria que o profissional precisa buscar com as família inclui outras responsabilidades, inclusive a de participação nas decisões sobre as metas a serem estabelecidas.…”
Section: Contribuições Psicoterapêuticasunclassified