2015
DOI: 10.1590/s0102-69922015000100009
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Decolonialidade e interseccionalidade emancipadora: a organização política das trabalhadoras domésticas no Brasil

Abstract: Resumo: No momento em que se discute a ampliação de direitos das trabalhadoras domésticas no Brasil, este artigo traz para o centro das discussões o protagonismo das organizações políticas das trabalhadoras domésticas. Baseado em entrevistas realizadas com trabalhadoras domésticas, o artigo busca compreender as razões das desigualdades sociais que incidem sobre esta categoria profissional. Para tanto, argumenta-se que a colonialidade do poder e a interseccionalidade de gê-nero, classe e raça são fatores estrut… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1

Citation Types

0
2
0
29

Year Published

2016
2016
2024
2024

Publication Types

Select...
8
2

Relationship

0
10

Authors

Journals

citations
Cited by 41 publications
(31 citation statements)
references
References 4 publications
(2 reference statements)
0
2
0
29
Order By: Relevance
“…For women, their fragility arises from gender issues and the social context. The intersectionality approach explains this phenomenon, as structural racism, class oppression, patriarchal relations, and other aspects create and reinforce inequalities (Bernardino-Costa, 2015). This concept reveals the vulnerabilities, disadvantages and oppression suffered by vulnerable women.…”
mentioning
confidence: 99%
“…For women, their fragility arises from gender issues and the social context. The intersectionality approach explains this phenomenon, as structural racism, class oppression, patriarchal relations, and other aspects create and reinforce inequalities (Bernardino-Costa, 2015). This concept reveals the vulnerabilities, disadvantages and oppression suffered by vulnerable women.…”
mentioning
confidence: 99%
“…No tocante a reflexão sobre a mulher negra, a abordagem deste artigo é realizada a partir das análises de Sueli Carneiro (2003;2015), Lélia Gonzalez (1984Gonzalez ( , 1988a e Kimberlé Crenshaw (2002).…”
Section: Gênero Como Categoria De Análiseunclassified
“…Compreende-se a estigmatização da pobreza como constituindo esse processo de depreciação de uma classe social e de promoção de reconhecimentos depreciativos dos mais pobres atrelados somente aos papéis de preguiçoso, ruim, doente e culpado pela sua situação (Moura Jr., Almeida Segundo, & Barbosa, 2019). Igualmente essas representações sociais do pobre embasam a existência das práticas de humilhação impetradas contra as pessoas em situação de pobreza (Bernardino-Costa, 2015).…”
Section: Introductionunclassified