2011
DOI: 10.1590/s1981-77462011000400002
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Conceituando o trabalho, o visível e o invisível

Abstract: Neste artigo discutimos, na perspectiva da ergologia, o conceito de trabalho. Situamos as definições dele ao longo da história por diferentes correntes de pensamento e polemizamos sobre o caráter inédito, invisível e visível do trabalho. O que ele pressupõe e o que ele permite inferir em termos de investimento humano pessoal e coletivo. O que ele revela em termos de continuidades de modos de fazer e o que ele omite em termos de saberes investidos. Procuramos retrabalhar a noção de trabalho, tentando explicar o… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
2
1

Citation Types

0
9
0
39

Year Published

2013
2013
2023
2023

Publication Types

Select...
8

Relationship

0
8

Authors

Journals

citations
Cited by 48 publications
(50 citation statements)
references
References 2 publications
0
9
0
39
Order By: Relevance
“…Sendo particularmente importantes nas comunidades como essa, mais distantes de hospitais e centros de tratamento. Todo esse movimento, tivemos o desafio de acompanhar à luz do referencial teórico--analítico da Ergologia (Schwartz, 1995(Schwartz, , 1998(Schwartz, , 2000(Schwartz, , 2003(Schwartz, , 2004a(Schwartz, , 2004b(Schwartz, , 2004c(Schwartz, , 2011, dentre outros) na perspectiva de análise de situações de trabalho, do trabalho vivo e em atividade e, orientados também pelos princípios da cartografia (Fonseca e Kirst, 2003;Rolnik, 2006), enquanto postura de pesquisa e meio para produção dos dados.…”
Section: Introductionunclassified
“…Sendo particularmente importantes nas comunidades como essa, mais distantes de hospitais e centros de tratamento. Todo esse movimento, tivemos o desafio de acompanhar à luz do referencial teórico--analítico da Ergologia (Schwartz, 1995(Schwartz, , 1998(Schwartz, , 2000(Schwartz, , 2003(Schwartz, , 2004a(Schwartz, , 2004b(Schwartz, , 2004c(Schwartz, , 2011, dentre outros) na perspectiva de análise de situações de trabalho, do trabalho vivo e em atividade e, orientados também pelos princípios da cartografia (Fonseca e Kirst, 2003;Rolnik, 2006), enquanto postura de pesquisa e meio para produção dos dados.…”
Section: Introductionunclassified
“…Essa variabilidade, por menor que seja, revela a infidelidade do meio, que não permite uma simples repetição. Considerado uma alquimia indefinida, o trabalho humano, ao ser problematizado, pode contribuir para a reflexão de dada prática profissional, constituída pela tensão entre o visível e o invisível (SCHWARTZ, 2011;SCHWARTZ, DURRIVE, 2010).…”
Section: Considerações Iniciaisunclassified
“…Além disso, o trabalho é uso de si pelos outros. Assim, embora realize suas atividades a partir de ordens e procedimentos dos quais não é autor, o sujeito as ressingulariza, pois faz escolhas e essas implicam debates de normas ou dramáticas do uso de si' que perpassam todos os aspectos da vida das pessoas (SCHWARTZ, 2011b).…”
Section: A Perspectiva Ergológica E a Singularidade Da Atividade Na Runclassified
“…Este estudo, de cunho interdisciplinar, entre a linguística do discurso e a ergologia teve como principais autores Schwartz (2006, 2010a, 2010b, 2011b) e Trinquet (2010, e em relação à linguagem sobre o trabalho, Nouroudine (2002). No que diz respeito aos pressupostos da semântica global, utilizamos Maingueneau (1984Maingueneau ( /2008aMaingueneau ( , 2008bMaingueneau ( , 2011 e alguns de seus estudiosos.…”
Section: Considerações Finaisunclassified
See 1 more Smart Citation