2008
DOI: 10.1590/s0103-73072008000300011
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Brinquedo, gênero e educação na brinquedoteca

Abstract: Resumo: Trata-se de uma pesquisa realizada com crianças de 2 a 10 anos de idade, freqüentadoras da Brinquedoteca da Faculdade de Educação da USP, de março de 2005 a março de 2006, tendo como objetivo o estabelecimento de relações entre brinquedo, gênero e educação. A pesquisa qualitativa, etnográfica, utiliza: diário de bordo, filmagens, transcrições de episódios de brincadeira e relatos. A partir da teoria pós-estruturalista feminista, que usa uma concepção de subjetividade precária, contraditória e constante… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1
1

Citation Types

0
3
0
17

Year Published

2010
2010
2022
2022

Publication Types

Select...
6
2
1

Relationship

0
9

Authors

Journals

citations
Cited by 24 publications
(20 citation statements)
references
References 11 publications
0
3
0
17
Order By: Relevance
“…As autoras ainda explicam que a família insere a criança nos conceitos compartilhados sobre gênero, como que se estivesse preparando-a para dar futuras respostas para as perguntas que a sociedade fará diante de certos comportamentos. Para Kishimoto e Ono (2008) as crianças manifestam suas experiências e vivências no âmbito familiar e escolar, os autores ainda argumentam que os estereótipos são oriundos dos pais e de pessoas próximas da criança, e os pais são aqueles que impõem os primeiros padrões antes que ela comece a fazer suas próprias escolhas. Durante uma gestação já é imposto de que se o bebê for uma menina o quarto deverá ser rosa e cheio de bonecas, mas se for um menino o quarto tem que ser azul com inúmeros carros em miniatura.…”
Section: Trabalhando Com Criançasunclassified
See 1 more Smart Citation
“…As autoras ainda explicam que a família insere a criança nos conceitos compartilhados sobre gênero, como que se estivesse preparando-a para dar futuras respostas para as perguntas que a sociedade fará diante de certos comportamentos. Para Kishimoto e Ono (2008) as crianças manifestam suas experiências e vivências no âmbito familiar e escolar, os autores ainda argumentam que os estereótipos são oriundos dos pais e de pessoas próximas da criança, e os pais são aqueles que impõem os primeiros padrões antes que ela comece a fazer suas próprias escolhas. Durante uma gestação já é imposto de que se o bebê for uma menina o quarto deverá ser rosa e cheio de bonecas, mas se for um menino o quarto tem que ser azul com inúmeros carros em miniatura.…”
Section: Trabalhando Com Criançasunclassified
“…Para Campos e de Queiroz Silva (2015, p. 216), os brinquedos atuam como "instâncias que colocam em funcionamento a pedagogia da fabricação de homens e mulheres". É um objeto que está carregado de cultura e significados posto ao alcance das crianças, se tornando seu parceiro diário e possibilitando a criança ações como agir e imaginar (KISHIMOTO, 1999). Já Vygotsky (1994, p. 135) afirma que "o brinquedo não é o aspecto predominante da infância, porém é um fator importante no seu desenvolvimento", os brinquedos acabam criando uma espécie de zona no desenvolvimento da criança, porque ele faz com que ela se porte de maneira diferente dos comportamentos habituais de sua idade.…”
Section: Figura 2: Roupas Infantis Femininas E Masculinasunclassified
“…As brincadeiras são fundamentais na construção da identidade de gênero. 18 No início da socialização as crianças escolhem as suas brincadeiras e os seus endendo a importância de gênero como elemento fundamental na constituição e construção do ser humano, deve-se construir um olhar diferente sobre a infância e estar atento quanto aos lugares que são impostos ao universo infantil e também na separação de espaços físicos entre meninos e meninas.…”
Section: A Construção Das Identidades De Gênero Na Infânciaunclassified
“…While two girls play to organize a small store, two boys do a robbery, creating a disturbance similar to real life (LABRIM P report, 10/ 03/ 2010). Such situations of mixed play between boys and girls [22] show the diversity of roles and themes that are close to the real context.…”
Section: Imaginary Play Directed At Realitymentioning
confidence: 99%