volume 6, issue 4, P31 2007
DOI: 10.12660/gvexec.v6n4.2007.34622
View full text
|
|
Share

Abstract: A primeira metade da década de 1990 assistiria a uma euforia social somente comparável à euforia dos anos 1920. Como a última, a "neo-euforia" também terminaria de forma abrupta e inglória. A euforia econômica terminaria com o crash dos mercados asiáticos no fi nal da década; a euforia política, arranhada pelas carnifi cinas dos Bálcãs e de Ruanda, seria ofi cialmente encerrada no dia 11 de setembro de 2001, quando a ilusão coletiva da invulnerabilidade do gigante do Ocidente ruiu, juntamente com as Torres Gê…

expand abstract