2004
DOI: 10.1590/s1413-24782004000200004
| View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: A educação no Brasil vem evoluindo segundo o diapasão de um país do terceiro mundo que se encontra em secular e interminável processo de desenvolvimento econômico. Nas últimas três décadas, o Estado brasileiro quase conseguiu universalizar a educação pública gratuita fundamental, constituída de oito anos de ensino.1 Entretanto, há ainda muitos problemas a serem resolvidos. Essa modalidade do ensino público reproduz a dicotomia característica do sistema escolar, ou seja, essa educação é destinada às classes pop… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1

Citation Types

0
0
0
1

Year Published

2007
2007
2022
2022

Publication Types

Select...
5

Relationship

0
5

Authors

Journals

citations
Cited by 6 publications
(1 citation statement)
references
References 1 publication
0
0
0
1
Order By: Relevance
“…Era comum encontrar crianças e mulheres grávi-das no ambiente fabril, onde os trabalhadores em geral eram intensamente explorados, com cargas horárias desumanas e condições de trabalho insalubres (SINGER, 2002 Dal Ri e Vieitez (2004) esclarecem que a CONCRAB não rejeita os princípios clássicos do cooperativismo e que, por meio de sua experiência, percebeu que esses princípios não garantem a democratização das relações de trabalho. Nesse sentido, a Confederação busca modifi car as formas de participação dos trabalhadores, criar novas instâncias de representação, promover inovação no regime de trabalho, ao descentralizar as instâncias de poder, e modifi car a concepção de divisão de trabalho que impera na ordem social capitalista (DAL RI;VIEITEZ, 2004).…”
Section: Cooperativismounclassified
“…Era comum encontrar crianças e mulheres grávi-das no ambiente fabril, onde os trabalhadores em geral eram intensamente explorados, com cargas horárias desumanas e condições de trabalho insalubres (SINGER, 2002 Dal Ri e Vieitez (2004) esclarecem que a CONCRAB não rejeita os princípios clássicos do cooperativismo e que, por meio de sua experiência, percebeu que esses princípios não garantem a democratização das relações de trabalho. Nesse sentido, a Confederação busca modifi car as formas de participação dos trabalhadores, criar novas instâncias de representação, promover inovação no regime de trabalho, ao descentralizar as instâncias de poder, e modifi car a concepção de divisão de trabalho que impera na ordem social capitalista (DAL RI;VIEITEZ, 2004).…”
Section: Cooperativismounclassified