2006
DOI: 10.1590/s0104-11692006000100015
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Transferência e psicoterapia de grupo

Abstract: This study examines the concept of transference, focusing on its peculiarities in the group context. The nature of the therapeutic situation and the broad freedom given to patients in order to access the unconscious material at their own pace, within a safe environment and with as little censorship as can be managed, transference gradually takes place. Through displacement, the psychotherapist and group members are perceived not as they are, with their real attributes, but as one or more objects that arouse em… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1
1

Citation Types

0
2
0
5

Year Published

2006
2006
2023
2023

Publication Types

Select...
6
1

Relationship

1
6

Authors

Journals

citations
Cited by 7 publications
(7 citation statements)
references
References 7 publications
(10 reference statements)
0
2
0
5
Order By: Relevance
“…Com o silenciamento, agora advindo da coordenação do grupo, os participantes começam a manifestar a insatisfação com os preconceitos étnicos raciais e sociais sofridos, que tinha como porta voz, tal como define Kaës (2011) um participante que frequentemente se posicionava com rivalização à coordenação, principalmente por considerar que não sofriam com esses preconceitos 1 . Sendo suporte para as transferências, os participantes deslocam para a figura do psicólogo às ideias e fantasias inconscientes (Bechelli & Santos, 2006), os coordenadores são alvo de elementos persecutórios, pois representam a extensão da instituição, apresentando-se na fantasia dos participantes como um objeto ambivalente, ao mesmo tempo que oferecem o cuidado à saúde mental, podem estar observando, julgando e denunciando, o que coloca em risco o emprego.…”
Section: Resultsunclassified
“…Com o silenciamento, agora advindo da coordenação do grupo, os participantes começam a manifestar a insatisfação com os preconceitos étnicos raciais e sociais sofridos, que tinha como porta voz, tal como define Kaës (2011) um participante que frequentemente se posicionava com rivalização à coordenação, principalmente por considerar que não sofriam com esses preconceitos 1 . Sendo suporte para as transferências, os participantes deslocam para a figura do psicólogo às ideias e fantasias inconscientes (Bechelli & Santos, 2006), os coordenadores são alvo de elementos persecutórios, pois representam a extensão da instituição, apresentando-se na fantasia dos participantes como um objeto ambivalente, ao mesmo tempo que oferecem o cuidado à saúde mental, podem estar observando, julgando e denunciando, o que coloca em risco o emprego.…”
Section: Resultsunclassified
“…Como propõe a literatura, a adoção de práticas e processos voltados para a saúde mental requisita elementos da subjetividade e condição humana, e, para se obter um estado de equilíbrio sistêmico e psicológico, a corresponsabilização terapêutica e os momentos de escuta e diálogo entre o terapeuta e o paciente são necessários (Bechelli, Santos, 2006;Campos, 2006).…”
Section: Produção Do Cuidado E O Trabalho Em Equipeunclassified
“…Quando o paciente tem melhor compreensão da própria subjetividade, sua autoimagem pode ser remodelada. Desse modo, ele pode obter uma melhor relação consigo mesmo e, consequentemente, com a sociedade (Bechelli, Santos, 2006).…”
Section: Introductionunclassified
“…Quando o usuário tem melhor compreensão da própria subjetividade, sua autoimagem pode ser remodelada. Assim, ele pode estabelecer melhor relação consigo próprio e, consequentemente, com a sociedade (BECHELLI;SANTOS, 2006).No início do comentário de Sophia, havia certa tensão em seu discurso, cujas palavras sinalizavam conciliação e tolerância em relação à opinião alheia divergente no domínio da E/R. Todavia, a sua corporeidade indicava ansiedade e inquietação, enquanto sua voz transparecia raiva.…”
unclassified