2002
DOI: 10.1590/s0103-65642002000100008
View full text |Buy / Rent full text
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: Este artigo visa oferecer uma visão da Psico-oncologia, através de um resumo da história, do campo de ação e dos problemas específicos da área. Os primeiros estudos da ligação corpo e mente no câncer tiveram início na Grécia, mas esta visão foi abandonada até o século XIX quando Freud voltou a mostrar que o psíquico podia ocasionar processos físicos. A Medicina Psicossomática, a Medicina e a Psicologia Comportamental e a Psicologia da Saúde abriram o caminho para a Psico-Oncologia, hoje muito apoiada pela Psic… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
3
1

Citation Types

1
2
0
55

Year Published

2009
2009
2012
2012

Publication Types

Select...
3
1

Relationship

0
4

Authors

Journals

citations
Cited by 38 publications
references
References 6 publications
1
2
0
55
Order By: Relevance
“…Informações disponíveis no site do Instituto Nacional de Câncer (INCA) apresentam uma estimativa de 489 270 casos novos na população brasileira para o ano de 2010, dado também válido para 2011, sendo 253 030 casos estimados na população feminina e 236 240 para a população masculina (INCA, 2010). Apesar dos avanços da medicina que permitem atualmente o acesso a tratamentos que possibilitam o controle da doença e, em muitos casos, a cura, o diagnóstico de câncer produz fortes repercussões emocionais no paciente e em sua família, sendo a doença comumente associada à morte e receio de tratamentos dolorosos, mutilações e perdas (Carvalho, 2002;Bifulco, 2010;Franco, 2008).…”
Section: Introductionunclassified
“…Entre essas fases, a família e a criança enfrentam problemas potencialmente estressantes: a) longos períodos de hospitalização; b) terapêutica medicamentosa agressiva e efeitos colaterais desagradáveis; c) dificuldades de separação dos membros da família durante as internações; d) interrupção das atividades diárias (tais como a necessidade de retirar-se do emprego, especialmente das mães, e a interrupção dos estudos da criança); e) limitações na compreensão do diagnóstico, devido a dificuldades de comunicação com a equipe profissional; f ) desajustes financeiros devido a gastos com medicação e transporte; e h) episódios recorrentes de angústia, dor e medo da possibilidade de morte (Carvalho, 2002;Clarke, Sheppard & Eiser, 2008;Czyzewski & Jones, 1995;Nelson, Nandy & Roth, 2007). Dessa forma, observar o que fazem os cuidadores para lidar com tais situações e que intervenções um serviço de Psicologia hospitalar pode propor constituem requisitos essenciais do atendimento integral às pessoas em tratamento.…”
Section: Introductionunclassified
“…Considerando que, muitas vezes, a falta de informação ou de suporte social é responsável por significativo nível de estresse, cabe aos profissionais de psico-oncologia identificar os riscos psicológicos do tratamento e apresentá-los aos pais, promovendo, assim, um apoio operacional ao paciente e família e um treino de habilidades, essenciais ao enfrentamento das situações adversas (Carvalho, 2002;Holm, Patterson & Gurney, 2003).…”
Section: Introductionunclassified
“…O diagnóstico da neoplasia causa um forte impacto na vida de seus portadores (Carvalho, 2002). Para lidar com essa condição, as pessoas com câncer utilizam diferentes estraté-gias de enfrentamento, destacando-se no presente trabalho a religiosidade e a espiritualidade, que predominam em grande parte da população acometida por essa enfermidade (Ferreira & Fornazari, 2007).…”
unclassified
“…Por meio de questionários, Holland buscou medir o funcionamento físico, psicológico, social, sexual e no trabalho, comparando com estes funcionamentos na ausência da doença. E buscou melhorar a qualidade de vida em seu conjunto, nos seus pacientes (CARVALHO, 2002) No Brasil, desenvolveu-se por meio de profissionais interessados e empenhados na identificação de fatores psicossociais envolvidos na gênese e prevenção do câncer, e na reabilitação e qualidade de vida do doente oncológico (GIMENES et.al., 2000, VASCONCELLOS, 2000NEME, SOLIVA E RIBEIRO, 2003 Neste contexto, o estresse é um dos fatores atualmente bastante pesquisados, sendo reconhecido por seus efeitos imunodepressores e potencialmente relevantes para a gênese das neoplasias malignas como apontam estudos relevantes na literatura propostos por Simonton, Simonton e Creighton (1987), Borbjerg, 1990, Mello Filho (1992, Le Shan (1992( ,1994( ), Herbert, (1993 …”
Section: Contribuições Da Psicoimunologiaunclassified