2020
DOI: 10.1590/198053147155
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Escola De Enfermagem De São Paulo: O Modelo Educacional-Profissional Sesp

Abstract: Resumo O artigo analisa a formação profissional da enfermagem pós-1930 como parte de um processo histórico que redimensionou a profissão e sua profissionalização no Brasil. Por intermédio de documentos que remetem à experiência das primeiras alunas da Escola de Enfermagem de São Paulo, considera-se que o movimento evoca uma ruptura em relação tanto às origens quanto à manutenção das representações estabelecidas. Derivadas da instalação de um novo modelo de ensino oriundo dos Estados Unidos, mudanças processada… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1

Citation Types

0
0
0
1

Year Published

2023
2023
2023
2023

Publication Types

Select...
1

Relationship

0
1

Authors

Journals

citations
Cited by 1 publication
(1 citation statement)
references
References 6 publications
0
0
0
1
Order By: Relevance
“…Considera-se que essa é uma estratégia de desprofissionalização e de desgaste da imagem social do professor que persiste, mesmo com avanços importantes na legislação educacional e nas políticas públicas educacionais. Além das nomenclaturas citadas, pesquisas mostram outros nomes que são atribuídos àqueles que exercem a docência, principalmente em creches: cuidadores, pajem, monitores, berçaristas, recreacionistas e muitos outros (CAMPOS; PATTO; MUCCI, 1981;VIEIRA, 1988;CERISARA, 2002;ABRAMOVICZ, 2003;CÔCO, 2010). Mudar o nome para se referir ao docente pode ser uma forma de burlar a legislação para não garantir direitos trabalhistas e planos de carreira dignos, mas mais do que isso, representa depreciação à profissão docente e ao significado do que é ser professor na etapa inicial da Educação Básica.…”
Section: Escuta De Docentes E Desafios éTicos Teóricos E Metodológico...unclassified
“…Considera-se que essa é uma estratégia de desprofissionalização e de desgaste da imagem social do professor que persiste, mesmo com avanços importantes na legislação educacional e nas políticas públicas educacionais. Além das nomenclaturas citadas, pesquisas mostram outros nomes que são atribuídos àqueles que exercem a docência, principalmente em creches: cuidadores, pajem, monitores, berçaristas, recreacionistas e muitos outros (CAMPOS; PATTO; MUCCI, 1981;VIEIRA, 1988;CERISARA, 2002;ABRAMOVICZ, 2003;CÔCO, 2010). Mudar o nome para se referir ao docente pode ser uma forma de burlar a legislação para não garantir direitos trabalhistas e planos de carreira dignos, mas mais do que isso, representa depreciação à profissão docente e ao significado do que é ser professor na etapa inicial da Educação Básica.…”
Section: Escuta De Docentes E Desafios éTicos Teóricos E Metodológico...unclassified