2006
DOI: 10.1590/s0102-33062006000400010
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Chuva de sementes em fragmentos de Floresta Atlântica (São Paulo, SP, Brasil), sob diferentes situações de conectividade, estrutura florestal e proximidade da borda

Abstract: A composição da chuva de sementes permite inferir sobre o desenvolvimento, o direcionamento sucessional e a regeneração de comunidades vegetais. Em paisagens fragmentadas, é grandemente influenciada pela conectividade entre fragmentos remanescentes e pela estrutura da vegetação. Foram comparadas as chuvas de sementes em três fragmentos de Mata Atlântica (Caucaia do Alto, SP), em função de seus tamanhos, graus de conectividade na paisagem, situação de borda e interior, grau de perturbação e características estr… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
2
1

Citation Types

1
7
0
29

Year Published

2012
2012
2022
2022

Publication Types

Select...
7

Relationship

0
7

Authors

Journals

citations
Cited by 36 publications
(37 citation statements)
references
References 37 publications
(44 reference statements)
1
7
0
29
Order By: Relevance
“…No presente estudo, o número total de sementes dispersas foi similar aos valores registrados em fragmentos de floresta atlântica e em florestas em sucessão (MARTINI, 2002;ARAÚJO, 2002;PIVELLO et al, 2006) POTT, 1994;IBGE, 2002;MIGUEL;MARIMON, 2008). Na porção do baixo foi registrado o segundo maior percentual de NSNV, na mesma área onde Mauritia flexuosa foi a espécie de maior importância ecológica (MARIMON et al, 2002(MARIMON et al, , 2003(MARIMON et al, , 2010, cujos frutos e sementes também são grandes (> 5 cm), abundantes e importantes para a alimentação da fauna (POTT; POTT, 1994 A proporção da biomassa total de sementes diferiu da proporção do número de sementes entre as porções de floresta estudadas.…”
Section: Discussionunclassified
See 2 more Smart Citations
“…No presente estudo, o número total de sementes dispersas foi similar aos valores registrados em fragmentos de floresta atlântica e em florestas em sucessão (MARTINI, 2002;ARAÚJO, 2002;PIVELLO et al, 2006) POTT, 1994;IBGE, 2002;MIGUEL;MARIMON, 2008). Na porção do baixo foi registrado o segundo maior percentual de NSNV, na mesma área onde Mauritia flexuosa foi a espécie de maior importância ecológica (MARIMON et al, 2002(MARIMON et al, , 2003(MARIMON et al, , 2010, cujos frutos e sementes também são grandes (> 5 cm), abundantes e importantes para a alimentação da fauna (POTT; POTT, 1994 A proporção da biomassa total de sementes diferiu da proporção do número de sementes entre as porções de floresta estudadas.…”
Section: Discussionunclassified
“…O número de morfoespécies de sementes na floresta de galeria do Córrego Bacaba foi elevado em comparação com outros estudos que avaliaram a chuva de sementes em florestas nas regiões Sudeste e Centro-Oeste (ARAÚJO, 2002;PIVELLO et al, 2006;FELFILI, 2006). Além disso, a riqueza de espécies com sementes destituídas de estruturas de voo na área estudada reafirma o importante papel das florestas de galeria na disponibilização de alimento para a fauna silvestre (SCHIAVINI et al, 2001).…”
Section: Discussionunclassified
See 1 more Smart Citation
“…A zoocoria (86,9%) predominou sobre a anemocoria (13,1%) e, dentre as espécies com dispersão zoocórica, 56,9% foram arbustivas e 39,3% arbóreas, o que corrobora com os dados de síndrome e porte encontrados em floresta estacional (Scherer 2004), em floresta ombrófila densa montana (Pivello et al 2006) e em floresta alta de restinga (Silva et al 2009); o percentual restante não foi classificado quanto ao hábito. O predomínio de diásporos com síndrome zoocórica na chuva de sementes é característico de áreas florestais conservadas (Morellato & Leitão-Filho 1992, Piña-Rodrigues & Aoki 2014); e também indica que a vegetação de entorno está em bom estado de conservação, uma vez que, em florestas perturbadas, o número de espécies anemocóricas tende a se aproximar da densidade de sementes zoocóricas (Penhalber 1995); além disso, esses fatores indicam que a área possui resiliência.…”
Section: Resultsunclassified
“…Os aspectos ecológicos de paisagem, como o tamanho e formato da área em questão, seu grau de isolamento, proximidade com corredores ecológicos e de fluxo genético, o tipo de matriz e presença de animais dispersores na área, interferem no fluxo de propágulos e, consequentemente, na estrutura da população (Parker 1997, Pivello et al 2006.…”
Section: Introductionunclassified