2018
DOI: 10.1590/1678-49442018v24n1p161
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Caminhos De Sopro: Discurso Xamânico E Percursos Florestais Dos Hupd’äh

Abstract: Resumo Vagarosamente, as pegadas dos viajantes Hupd’äh deixam a aldeia e seguem pelos caminhos de mata. Tateiam o solo úmido da floresta amazônica pisando e repisando percursos ancestrais. Devidamente protegidos pela ação xamânica dos anciões, os jovens caminhantes seguem seus mentores, observam plantas, paisagens, rastros e ouvem encantamentos xamânicos. Partindo da análise comparativa entre, de um lado, viagens para lugares sagrados (morros e cavernas) e, de outro, a viagem do xamã no “benzimento dos caminho… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1
1

Citation Types

0
1
0
2

Year Published

2019
2019
2022
2022

Publication Types

Select...
4
1

Relationship

2
3

Authors

Journals

citations
Cited by 5 publications
(3 citation statements)
references
References 23 publications
0
1
0
2
Order By: Relevance
“…Nos anos 1970, as viagens para regiões longínquas permitiam busca de esposas e alianças com grupos locais (1979 149-154). É por meio dessas caminhadas, guiadas por mentores ou em grupo com outros rapazes, que os mais jovens conhecem os locais dos antigos aldeamentos, os índices da passagem e da existência de demiúrgos e ancestrais, montanhas e cabeceiras, sempre tidas como paisagens mito-históricas importantes (Ramos & Epps 2018).…”
Section: Ritual E Mobilidadeunclassified
“…Nos anos 1970, as viagens para regiões longínquas permitiam busca de esposas e alianças com grupos locais (1979 149-154). É por meio dessas caminhadas, guiadas por mentores ou em grupo com outros rapazes, que os mais jovens conhecem os locais dos antigos aldeamentos, os índices da passagem e da existência de demiúrgos e ancestrais, montanhas e cabeceiras, sempre tidas como paisagens mito-históricas importantes (Ramos & Epps 2018).…”
Section: Ritual E Mobilidadeunclassified
“…No tema da tradução da poética, o enfoque tem se deslocado da problemática norte-americana de como traduzir fielmente os mecanismos poéticos da arte verbal (Langdon, 1997; para outras questões trazidas pelo movimento ontológico-perspectivista e as interfaces entre a linguística, a etnologia e os estudos literários (Cesarino, 2012;Epps, 2018). As poesias ameríndias representam outros regimes de pensamento, e o problema de tradução (ou retradução) é menos de entender as características formais reconhecidas pelo conceito ocidental de poética e mais de reconhecer a múltipla posicionalidade e polifonia das suas poéticas (Langdon, 2017a;Macedo, 2012;Schuler Zea, 2008;Stallaert;Schuler Zea, 2012) 19 .…”
Section: A Encruzilhada Em Número E Fatos: a Consolidação Do Campo No Paísunclassified
“…Campbell & Muntzel ). Our work with the genre stems from this collaboration (see Ramos , Ramos & Epps ).…”
Section: Hup Shamanic Incantationmentioning
confidence: 99%