2002
DOI: 10.1590/s1676-06032002000100005
| View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: Apresentam-se os dados da biometria de frutos e diásporos de Cryptocarya aschersoniana Mez e C. moschata Nees (Lauraceae). Os frutos foram coletados de 12 populações de sete localidades diferentes do sudeste brasileiro. Utilizando-se a regressão logística e a análise de função linear discriminante, as espécies foram classificadas de acordo com as equações geradas por essas técnicas. Para os frutos, as variáveis comprimento, diâmetro, superfície e volume foram selecionadas e apresentaram 94,4% de concordância e… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
1
1
1

Citation Types

1
4
0
4

Year Published

2002
2002
2018
2018

Publication Types

Select...
7

Relationship

2
5

Authors

Journals

citations
Cited by 11 publications
(9 citation statements)
references
References 12 publications
1
4
0
4
Order By: Relevance
“…This grouping was independent of the place of origin (indigenous villages). The results of this study are similar to those reported by Moraes and Alves (2002), in which the grouping between trees was independent of the geographical origin. Their analysis was based on the morphometric variables of fruits and diaspores of two genera of Cryptocarya.…”
Section: Genetic Diversity In Fruits and Seedssupporting
confidence: 91%
“…This grouping was independent of the place of origin (indigenous villages). The results of this study are similar to those reported by Moraes and Alves (2002), in which the grouping between trees was independent of the geographical origin. Their analysis was based on the morphometric variables of fruits and diaspores of two genera of Cryptocarya.…”
Section: Genetic Diversity In Fruits and Seedssupporting
confidence: 91%
“…O gênero Cryptocarya é pantropical, com aproximadamente 350 espécies, sendo cerca de 10 delas na América do Sul. Cryptocarya significa "fruto escondido" (do grego, kryptosescondido e káryon -fruto), em razão do completo envolvimento do fruto pelo eixo floral, principal caráter que distingue este gênero dos demais dentro da família (MORAES; ALVES, 2002). A espécie pertence ao grupo das clímax tolerantes à sombra (DAVIDE et al, 1995), seus frutos amadurecem nos meses de fevereiro a março, sendo consumidos por várias espécies animais (LORENZI, 1998).…”
Section: Muxfeldt R E Et Alunclassified
“…Os frutos têm tamanho máximo de 3 cm de comprimento por 2 cm de diâmetro (MORAES; ALVES, 2002) contendo uma semente que se caracteriza como recalcitrante NAKAGAWA, 2000). Em alguns estudos com sementes de canela-batalha, são observados indícios de dormência, com aumentos significativos no percentual de germinação após armazenamento em curto prazo e/ou secagem parcial (CARVALHO et al, 2006;DAVIDE et al, 1999).…”
Section: Muxfeldt R E Et Alunclassified
“…Os frutos são nucóides, tipo núcula, com 1,78-3,47 cm de comprimento ( = x 2,50 ± 0,28 cm; N = 1.487 frutos de 37 árvores), 1,10-3,20 cm de diâmetro ( = x 2,37 ± 0,22 cm; N = A identificação da espécie foi feita a partir de material herborizado e depositado no herbário da Escola Superior de Agricultura "Luiz de Queiroz" (ESA), cujos vouchers são enumerados na tabela 1. Para C. aschersoniana Mez, segundo revisão feita por Kostermans (1937Kostermans ( , 1938, existem pelo menos três diferentes morfoespécies cujo status taxonômico permanece duvidoso quanto a se realmente representam uma única espécie biológica (Moraes & Alves 2002). Desta forma, tem-se que os indivíduos amostrados no presente trabalho pertencem todos ao mesmo padrão morfológico encontrado nas populações do Planalto de São Paulo e sul de Minas Gerais.…”
Section: Materials E Métodos 21 Cryptocarya Aschersoniana Mezunclassified