2009
DOI: 10.1590/s0102-311x2009000900006
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Atividade física em profissionais de saúde do Sul e Nordeste do Brasil

Abstract: IntroduçãoO sedentarismo é um dos fatores de risco para agravos à saúde mais prevalentes na população mundial e brasileira, sendo identificado atualmente como um importante problema de saúde pública nos mais diferentes segmentos 1,2 . Estudos têm mostrado que a atividade física pode cumprir um importante papel preventivo e terapêutico e deve, portanto, ser parte integrante das práticas terapêuticas em saúde 3,4 . Essa relevância quanto ao papel preventivo da atividade física em relação a diferentes populações … Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
1
1
1

Citation Types

1
6
0
22

Year Published

2014
2014
2017
2017

Publication Types

Select...
7
2

Relationship

0
9

Authors

Journals

citations
Cited by 27 publications
(29 citation statements)
references
References 18 publications
(22 reference statements)
1
6
0
22
Order By: Relevance
“…O sedentarismo foi presente em ambos os vínculos, sendo mais prevalente no grupo estatutário; na investigação de Siqueira et al 24 (2009), encontraram prevalências de sedentarismo de 27,5% em profissionais de saúde de unidades básicas de saúde pesquisadas no Sul e Nordeste do país, incluindo nutricionistas e, Custódio et al 25 , (2010), encontraram 62% de sedentarismo entre enfermeiras de um hospital de Fortaleza (CE) e 24,7% nunca praticavam atividade física. Considerando que a maioria dos plantonistas tinha vínculo de estatutários e relataram outros vínculos de emprego, esse fato poderia dificultar a priorização do tempo para a prática da atividade física, mesmo que seja um profissional conhecedor dos benefícios para a saúde e qualidade de vida.…”
Section: Resultsunclassified
“…O sedentarismo foi presente em ambos os vínculos, sendo mais prevalente no grupo estatutário; na investigação de Siqueira et al 24 (2009), encontraram prevalências de sedentarismo de 27,5% em profissionais de saúde de unidades básicas de saúde pesquisadas no Sul e Nordeste do país, incluindo nutricionistas e, Custódio et al 25 , (2010), encontraram 62% de sedentarismo entre enfermeiras de um hospital de Fortaleza (CE) e 24,7% nunca praticavam atividade física. Considerando que a maioria dos plantonistas tinha vínculo de estatutários e relataram outros vínculos de emprego, esse fato poderia dificultar a priorização do tempo para a prática da atividade física, mesmo que seja um profissional conhecedor dos benefícios para a saúde e qualidade de vida.…”
Section: Resultsunclassified
“…Cabe destacar, ainda que, a maior frequência de aconselhamento para a prática de exercícios físicos observada entre os indivíduos hipertensos, diabéticos e que realizaram maior número de consultas médicas 38 pode explicar a não associação entre essas variáveis e o sedentarismo entre os participantes, reforçando a importância do aconselhamento como estratégia a ser expandida para outros públicos, visando à prevenção e à promoção da saúde.…”
Section: Discussionunclassified
“…Além disso, no Nordeste, a escolaridade esteve associada ao sedentarismo, e os profissionais com pós-graduação foram os mais sedentários. Detectou-se, ainda, que quanto maior o nível socioeconômico dos profissionais de saúde, maior o sedentarismo (26) . Diante dos resultados observados neste e em outros estudos que revelam condutas pouco saudáveis de estudantes, as quais podem se estender para a vida pós-acadêmica, faz-se necessário estimular os universitários da área da saúde a adotarem práticas saudáveis, tendo em vista que eles se tornarão multiplicadores de informações de saúde e agentes promotores de estratégias para prevenção de doenças.…”
Section: Hábitos Alimentaresunclassified