volume 15, issue 2, P373-388 2013
DOI: 10.1590/s1517-106x2013000200008
View full text
|
Sign up to set email alerts
|
Share

Abstract: ResumoSe o fato antropológico está ligado ao empreendimento de conjurar por meio de "feitiçarias" (Mallarmé) de linguagem o fora-de-todo-sentido do fato da existência (ele, "um precipício"), todo discurso de saber (toda teoria) não menos do que toda arte se descobrem então, uns não menos do que outros, como as propiciações que são. Este artigo pretende sustentar um entendimento radical, meditado, de Kafka: "Escrever é uma forma de oração".