2021
DOI: 10.1590/1982-0259.2021.e77967 View full text |Buy / Rent full text
|
|

Abstract: Resumo: Este artigo é um relato de experiência da implementação de um projeto denominado “ECOS: consciência, cor e saúde”, realizado em uma Unidade Básica de Saúde da região oeste do Distrito Federal, que teve como objetivo dialogar com profissionais de saúde e qualificar as ações junto à população negra que acessa o SUS. Inicialmente é feito um debate sobre as implicações da violência para a saúde e a correlação entre racismo e violência. Em seguida, discute-se sobre a importância da abordagem dessa temática … Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance
Select...
2
1
0
1
0
2

Year Published

2022
2022
2022
2022

Publication Types

Select...
3

Relationship

0
3

Authors

Journals

0
1
0
2
Order By: Relevance
“…Quando observado o contexto étnico-racial do Brasil, fica evidente que se trata de um país majoritariamente negro, onde a maior parte dos usuários do Sistema Único de Saúde -SUS é de cor negra, algo que deve ser sempre levado em consideração pela equipe de saúde, sobretudo as singularidades dessa população. O racismo estrutural, principalmente, encarcera essas pessoas em situações de maior vulnerabilidade, tirando-lhes direitos e acessos como segurança, educação e boas condições de trabalho, e condicionando a população negra à marginalização e péssimas condições socioeconômicas, impactando diretamente na saúde e alimentação 16 .…”
Section: Isso é Comida De Gente Como Euunclassified
“…Ao fazermos parte de uma sociedade estruturalmente racista, as instituições de saúde também são configuradas por meio dessa mesma estrutura, expressando distinções na atenção à saúde, iniquidades de acesso aos serviços, diferenças no cuidado às doenças prevalentes em pessoas negras -anemia falciforme, diabetes mellitus e hi-pertensão arterial -, insuficiência de divulgação de dados oficiais e carência de pesquisas sobre a SPN em periódicos científicos de impacto, entre outros 5,6 .…”
Section: Introductionunclassified
“…As we are part of a structurally racist society, health institutions are also organized around this same structure, expressing dissimilarities in health care, inequities in access to services, differences in care for diseases prevalent among the black people -sickle cell anemia, diabetes mel-litus and arterial hypertension -insufficient disclosure of official data, and lack of research on HBP in high-impact scientific journals, among others 5,6 .…”
Section: Introductionmentioning