2005
DOI: 10.1590/s0101-33002005000300005
View full text |Buy / Rent full text
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: José Luís Fiori RESUMOO artigo discute as possibilidades e limites da idéia de uma "governança global". O autor retoma a teoria da estabilidade hegemônica e seu desdobramento no debate em torno das noções de "hegemonia" e "governança" mundiais. Examina então a constituição e expansão de economias e poderes hegemônicos desde o século XVII, a fim de extrair premissas teóricas acerca das condições reais sob as quais pode haver governabilidade global, para além de um ideal cosmopolita kantiano.PALAVRAS-CHAVE: hege… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
1

Citation Types

0
0
0
3

Year Published

2014
2014
2014
2014

Publication Types

Select...
1
1

Relationship

0
2

Authors

Journals

citations
Cited by 4 publications
(3 citation statements)
references
References 7 publications
(3 reference statements)
0
0
0
3
Order By: Relevance
“…Todavia, alternativamente, é possível afirmar que a expansão do sistema capitalista, em seus rebatimentos para as formações sociais historicamente determinadas, realmente não decorreu do "capital em geral", nem, muito menos, pode ser atribuída a uma racionalidade estatal (ao estilo weberiano, em que o Estado emerge como um criador racional gerando as condições para a criação de um mercado interno) como afirma Fiori (2004Fiori ( , 2007Fiori ( , 2008, mas, de fato, adveio da dinâmica dos diversos blocos no poder que projetaram suas forças, por intermédio dos seus Estados, além dos seus espaços nacionais, mais especificamente na arena das disputas do sistema internacional moderno.…”
Section: O Estado E O Sistema Internacional: Projeção Do Poder De Claunclassified
See 1 more Smart Citation
“…Todavia, alternativamente, é possível afirmar que a expansão do sistema capitalista, em seus rebatimentos para as formações sociais historicamente determinadas, realmente não decorreu do "capital em geral", nem, muito menos, pode ser atribuída a uma racionalidade estatal (ao estilo weberiano, em que o Estado emerge como um criador racional gerando as condições para a criação de um mercado interno) como afirma Fiori (2004Fiori ( , 2007Fiori ( , 2008, mas, de fato, adveio da dinâmica dos diversos blocos no poder que projetaram suas forças, por intermédio dos seus Estados, além dos seus espaços nacionais, mais especificamente na arena das disputas do sistema internacional moderno.…”
Section: O Estado E O Sistema Internacional: Projeção Do Poder De Claunclassified
“…Ainda quanto à análise do sistema internacional moderno realizada por Fiori (2004Fiori ( , 2007Fiori ( , 2008 podemos destacar dois elementos importantes para a compreensão da questão da hierarquia, a saber, a moeda e as armas. No que se refere ao primeiro item, aquele autor advoga que o Estado que lidera a acumulação de capital é aquele que consegue impor sua unidade monetária como a moeda de curso internacional, permitindo assim que sua dívida pública e seu sistema de crédito funcionem como lastros monetários para a expansão de suas frações do capital (bloco no poder) para além dos seus espaços territoriais.…”
Section: O Estado E O Sistema Internacional: Projeção Do Poder De Claunclassified
“…Porém, vários autores criticaram a teoria da estabilidade hegemônica, pois argumentam que muitas vezes os países líderes são antes obstáculos que promotores da ordem internacional, ou que não são os responsáveis pela adesão dos demais países ao regime internacional em questão, como teria sido o caso do padrão-ouro (Fiori, 2005;Walter, 1993;Strange, 1987).…”
Section: Revisão Da Literaturaunclassified