2018
DOI: 10.1590/0034-761220170288
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

“Ruim com ela, pior sem ela”: o desejo de continuidade das UPPs para além das Olimpíadas

Abstract: Resumo Neste trabalho utilizamos a literatura de avaliação de projetos de policiamento comunitário e modelos de regressão logística para identificar quais variáveis explicam o desejo de continuidade das UPPs após as Olimpíadas. Neste sentido, apresentamos a análise de um survey domiciliar e probabilístico realizado com 2 mil residentes. Na primeira rodada, aplicamos o survey em 10 favelas que receberam UPPs na fase inicial de implementação do programa e, na rodada seguinte, em outras 10 favelas quando o proces… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
3
1

Citation Types

0
1
0
9

Year Published

2019
2019
2022
2022

Publication Types

Select...
3

Relationship

0
3

Authors

Journals

citations
Cited by 3 publications
(10 citation statements)
references
References 15 publications
0
1
0
9
Order By: Relevance
“…Assim, as tentativas de implantação do modelo de policiamento comunitário ocorreram logo após esse período de redemocratização, entre os anos de 1990 e 2000. Todavia, apesar do discurso de legitimidade democrática, algumas práticas policiais ainda não eram considerados meios adequados de aproximação com a comunidade, fazendo com que essa mudança se tornasse apenas retórica (Ribeiro & Vilarouca, 2018).…”
Section: A Polícia Comunitária Como Objeto De Estudounclassified
See 2 more Smart Citations
“…Assim, as tentativas de implantação do modelo de policiamento comunitário ocorreram logo após esse período de redemocratização, entre os anos de 1990 e 2000. Todavia, apesar do discurso de legitimidade democrática, algumas práticas policiais ainda não eram considerados meios adequados de aproximação com a comunidade, fazendo com que essa mudança se tornasse apenas retórica (Ribeiro & Vilarouca, 2018).…”
Section: A Polícia Comunitária Como Objeto De Estudounclassified
“…Na mesma época em que as influências globais de Polícia Comunitária chegavam ao Brasil (Frühling, 2007;Ribeiro & Vilarouca, 2018), a literatura em administração e a própria gestão pública passavam por uma diligente influência da chamada nova gestão pública (Bresser-Pereira, 2002), ou new public management, cujos pressupostos são ligados ao gerencialismo. Ao tentar explicar o motivo de tamanha aceitação, persuasão e proliferação da nova gestão pública (NGP) ao redor do mundo, a partir da década de 1980de , Hood (1991 afirma que haveria uma alegação clara de que a NGP ofereceria uma solução para todos os fins, sendo um caminho para uma melhor prestação de serviços públicos.…”
Section: A Polícia Comunitária Como Objeto De Estudounclassified
See 1 more Smart Citation
“…4 Various works have presented this diagnosis of decline, whether as a representation on the part of the residents and the press (Meia Hora included) or as an objective interpretation of a return of drug trafficking to its earlier configuration, the growth in militias, an increase in crime indices, as well as the objective change of public security policy under the current government-see, for example, Duarte (22/06/2017); Seta (03/07/2017); and Lemos and Bianchi (30/08/2017), for journalistic and conjunctural analyses. Among the academic analyses, I highlight, covering the entire period, Cano, Borges and Ribeiro (2012); Machado da Silva and Leite (2014), Menezes (2014Menezes ( , 2018, Correa and Menezes (2018) and Ribeiro and Vilarouca (2018). It is not the aim of this article to enter this debate, meaning that I take the period as a context in which the general discourse on urban violence was marked by a circumscribed set of specific representations of crime and the police, which, while manifested at a specific moment of Brazilian history, still have repercussions in the present.…”
Section: Final Considerations: the Humorous Translation Of 'Urban Vio...mentioning
confidence: 99%
“…al, 2011 Tais números demonstram que, pelo menos em termos de indicadores de criminalidade, o "efeito" da "pacificação" sobre a violência urbana no estado do Rio de Janeiro começou a esgotar-se entre os anos de 2013 e 2014. As causas para tanto ainda são objeto de discussão, e vão desde dificuldades institucionais -como as diferenças hierárquicas internas à polícia militar que estariam sendo desrespeitadas pelo modelo das UPPs -até a falta de financiamento necessário por conta da crise crise econômica do estado ocorrida após os megaeventos, passando por análises que caracterizam a instituição miliar como refratária à conceitos como policiamento de proximidade (Puff, 2016;Ribeiro et al 2018). Outrossim, muitos pesquisadores reforçam que o modelo de "guerra às drogas" implementado nunca terá os efeitos pretendidos pela "pacificação", por estar baseado na criminalização da pobreza (na "guerra aos pobres") e não no combate às causas da violência (entre outros, cabe destacar Leite, 2017;Pacheco de Oliveira, 2014;Barros e Farias, 2017; Possivelmente, a confluência desses diversos fatores levaram ao ocaso do programa e, em abril de 2018, o ministro Extraordinário da Segurança Pública, Raul Jungmann, anunciou a extinção de 18 das 38 Unidades de Polícia Pacificadora (UPP) do estado, e a 20 Segundo o Instituto de Segurança Pública do Estado do Rio de Janeiro, são contabilizados nessa categoria os seguintes tipos penais: homicídio doloso, roubo seguido de morte (latrocínio), lesão corporal seguida de morte e morte decorrente de intervenção de agente do Estado.…”
unclassified