2016
DOI: 10.1590/s0104-59702016005000020
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

Relações entre ginástica e saúde no Rio de Janeiro do século XIX: reflexões a partir do caso do Colégio Abílio, 1872-1888

Abstract: Resumo O artigo discute as relações entre ginástica e saúde no Rio de Janeiro do século XIX a partir do caso de uma das mais prestigiosas escolas do período: o Colégio Abílio. Mais do que descortinar os discursos que cercavam o oferecimento da prática na instituição, busca-se compreender seus diferentes arranjos no cotidiano escolar. Foram utilizadas duas fontes de natureza diferenciada: periódicos publicados na cidade e o romance O Ateneu, de Raul Pompéia. Conclui-se que o desafio que se apresenta para melhor… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1

Citation Types

0
0
0
3

Year Published

2019
2019
2023
2023

Publication Types

Select...
6

Relationship

1
5

Authors

Journals

citations
Cited by 7 publications
(3 citation statements)
references
References 7 publications
0
0
0
3
Order By: Relevance
“…Ao passo que as representações sobre as práticas esportivas eram construídas pelos redatores do Vida Bancária em consonância com os dirigentes da associação, e caminhavam na direção de um alinhamento com os códigos morais propalados por médicos e educadores em uma perspectiva de “educação esportiva”, concomitantemente, na direção contrária, as práticas esportivas daqueles trabalhadores bancários ganhavam outros sentidos na busca de uma diversão desinteressada, do júbilo, do prazer, a despeito da moralidade expressa naqueles impressos. Do mesmo modo, Melo e Peres (2016 , p.1148) também interpretaram que, por exemplo, os discursos sobre a ginástica nas escolas oitocentistas nem sempre se materializavam em um sentido estrito nas práticas, pois para eles “não devemos negligenciar o fato de que frente a uma proposta de rigidez corporal também se manifestasse um corpo transgressor, que dialogava com outras experiências sociais”.…”
Section: Entre a Vida Esportiva E A Vida Bancáriaunclassified
“…Ao passo que as representações sobre as práticas esportivas eram construídas pelos redatores do Vida Bancária em consonância com os dirigentes da associação, e caminhavam na direção de um alinhamento com os códigos morais propalados por médicos e educadores em uma perspectiva de “educação esportiva”, concomitantemente, na direção contrária, as práticas esportivas daqueles trabalhadores bancários ganhavam outros sentidos na busca de uma diversão desinteressada, do júbilo, do prazer, a despeito da moralidade expressa naqueles impressos. Do mesmo modo, Melo e Peres (2016 , p.1148) também interpretaram que, por exemplo, os discursos sobre a ginástica nas escolas oitocentistas nem sempre se materializavam em um sentido estrito nas práticas, pois para eles “não devemos negligenciar o fato de que frente a uma proposta de rigidez corporal também se manifestasse um corpo transgressor, que dialogava com outras experiências sociais”.…”
Section: Entre a Vida Esportiva E A Vida Bancáriaunclassified
“…En sus líneas se atisban elementos extensamente profundizados en décadas ulteriores, con todo, en esa ocasión se utilizó para introducir la reglamentación del linao, un juego ancestral de pelota y contacto físico extraído de la cosmología inmersa en las comunidades de habla mapudungún ( López von Vriessen, 2013 ). Como se verá, su contenido refrenda lo señalado por Melo y Peres (2016) en cuanto a la configuración de un “ethos corporal” como resultado del ajuste entre elementos tradicionales y modernos, es decir, saberes originarios junto a la incorporación de la empiria occidental y moderna en América Latina.…”
unclassified
“…Muitos destes preceitos estudados por Soares foram amplamente difundidos a partir de manuais de moral e higiene, e estes são justamente o principal objeto de estudo de Jacques Gleyse e Avelino Aldo de Lima Neto em Uma moral "corporal" generificada nos manuais escolares franceses de moral e de higiene . Os autores se debruçam sobre manuais escolares de moral 2 Os trabalhos de Carvalho e Correia (2015); Cunha (2017); Goellner (1992); Góis Júnior (2013,2015); Jubé (2017); Melo e Peres (2014); Melo (2016); Moraes e Silva e Quitzau (2018); Moreno (2001Moreno ( , 2003Moreno ( , 2015Moreno ( , 2016; Naman, Furtado e Moraes e Silva (2020); Puchta (2015); Quitzau (2014Quitzau ( , 2015Quitzau ( , 2016; Quitzau e Soares (2016) e Soares (2000Soares ( , 2004Soares ( , 2015 são reveladores desse interesse. No exterior, podemos citar os estudos de Andrieu (1988de Andrieu ( ,1999; Bui-Xuân e Gleyse (2001); Ljunggren (2011); Lundvall (2015); Rodríguez Giménez (2011); Sarremejane (2006); Scharagrodsky (2011).…”
unclassified