2019
DOI: 10.1590/s0104-12902019170995 View full text |Buy / Rent full text
|
|

Abstract: Resumo A violência contra mulheres é considerada um grave problema de saúde pública, uma violação dos direitos em todo o mundo. Como parte das políticas de enfrentamento a esse tipo de violência, a Lei Maria da Penha prevê a participação de homens autores de violência (HAV) em programas de atenção cuja atuação principal é a realização de grupos reflexivos. Este artigo apresenta um mapeamento de programas para HAV no Brasil realizado entre 2015 e 2016. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, exploratória e descri… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance
Select...
5
0
0
0
12

Year Published

2020
2020
2021
2021

Publication Types

Select...
4

Relationship

1
3

Authors

Journals

0
0
0
12
Order By: Relevance
“…Estudos que buscaram mapear estes grupos para autores de violência nacionalmente (Beiras 2014;Beiras, Incrocci, & Nascimento, 2019) mostram a emergência crescente destes grupos e a necessidade de políticas públicas específicas e critérios e diretrizes mínimas para garantir a qualidade destes grupos. Vemos também a importância de integrar em rede grupos para refletir sobre masculinidades e autoconhecimento, com grupos destinados especificamente a autores de violência que também incluem em suas reflexões o tema de masculinidades.…”
Section: Introductionunclassified
Create an account to read the remaining citation statements from this report. You will also get access to:
  • Search over 1b+ citation statments to see what is being said about any topic in the research literature
  • Advanced Search to find publications that support or contrast your research
  • Citation reports and visualizations to easily see what publications are saying about each other
  • Browser extension to see Smart Citations wherever you read research
  • Dashboards to evaluate and keep track of groups of publications
  • Alerts to stay on top of citations as they happen
  • Automated reference checks to make sure you are citing reliable research in your manuscripts
  • 14 day free preview of our premium features.

Trusted by researchers and organizations around the world

Over 100,000 students researchers, and industry experts at use scite

See what students are saying

rupbmjkragerfmgwileyiopcupepmcmbcthiemesagefrontiersapsiucrarxivemeralduhksmucshluniversity-of-gavle
“…Estudos que buscaram mapear estes grupos para autores de violência nacionalmente (Beiras 2014;Beiras, Incrocci, & Nascimento, 2019) mostram a emergência crescente destes grupos e a necessidade de políticas públicas específicas e critérios e diretrizes mínimas para garantir a qualidade destes grupos. Vemos também a importância de integrar em rede grupos para refletir sobre masculinidades e autoconhecimento, com grupos destinados especificamente a autores de violência que também incluem em suas reflexões o tema de masculinidades.…”
Section: Introductionunclassified
“…Compreende-se que a violência contra a mulher pode acontecer tanto em ambientes públicos quanto em locais privados, mas, de acordo com as estatísticas, é fundamentalmente no ambiente doméstico onde há maior ocorrência, ou seja, no microssistema, no ambiente proximal e mais potente para o desenvolvimento, segundo Bronfenbrenner (2011). Ela é praticada, em sua maioria, por homens da família que exercem relações de poder sobre a vítima e, dentro da gama de possíveis autores de agressão, na maioria dos casos, a violência é cometida por homens com quem a mulher tem ou teve algum vínculo afetivo, como companheiros ou ex-companheiros (Beiras, Nascimento, & Incrocci, 2019;Madureira, Raimondo, Ferraz, Marcovicz, Labronici, & Mantovani, 2014; Política nacional de enfrentamento à violência contra as mulheres, 2011).…”
Section: Introductionunclassified
“…Dados do "Mapa da violência, 2015: homicídio de mulheres no Brasil" revelam que a cada dois minutos há um registro de violência doméstica no país (Waiselfisz, 2015). Diante da complexidade social e relacional envolvida no fenômeno da violência contra a mulher, a Lei n. 11.340, de 2006, conhecida como Lei Maria da Penha, prevê ações não apenas de cunho punitivo aos autores de violência, mas iniciativas de prevenção em diversos âmbitos, incluindo o midiático e o educacional, além de intervenções grupais reflexivas junto aos homens que praticaram violência de gênero (Antezana, 2012;Beiras et al, 2019).…”
Section: Introductionunclassified