2014
DOI: 10.1590/s1983-68212014000200010 View full text |Buy / Rent full text
|
|

Abstract: A partir de uma observação de John Gledson, que sugere "uma profunda afinidade entre Machado de Assis e Austen, sobretudo em sua ironia onipresente, meticulosa e implicitamente agressiva" (cf. "A parasita azul"), tenciono investigar o potencial dessa afinidade, interrogando os usos que ambos fizeram da ironia como arma de crítica social e as possíveis diferenças que se podem estabelecer entre o modo como cada escritor a mobiliza para dar conta de representar o mundo que era o seu.

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance
Select...
2
1
1
0
0
0
5

Publication Types

Select...
2

Relationship

0
2

Authors

Journals

0
0
0
5
Order By: Relevance
“…Machado antecipa vertentes ultramodernas, tendo em vista que esse procedimento narrativo foi bastante utilizado por autores modernistas, como também pode ser interessante, pois nela Mário aborda a questão da escrita literária, bem como da narração e chega a se expulsar da própria obra, em franca brincadeira com a verossimilhança e o pacto ficcional. 75 Vasconcelos (2014) assim define parábase em nota de rodapé: "Parábase: 'no antigo teatro antigo, espécie de intermédio crítico ou cômico feito pelo coro enquanto o palco estava vazio, em que muitas vezes expunha o autor as suas opiniões ao público' (Dicionário Caldas Aulete); 'na comédia grega, ocasião em que o coro se afastava da ação teatral e trazia o público de volta à realidade, abordando temas políticos e sociais' (Dicionário Houaiss). [...]".…”
Section: "Ninguém O Saberá Jamais": O Narrador Moderno E O Não Saberunclassified
See 2 more Smart Citations
Create an account to read the remaining citation statements from this report. You will also get access to:
  • Search over 1.2b+ citation statments to see what is being said about any topic in the research literature
  • Advanced Search to find publications that support or contrast your research
  • Citation reports and visualizations to easily see what publications are saying about each other
  • Browser extension to see Smart Citations wherever you read research
  • Dashboards to evaluate and keep track of groups of publications
  • Alerts to stay on top of citations as they happen
  • Automated reference checks to make sure you are citing reliable research in your manuscripts
  • 7 day free preview of our premium features.

Trusted by researchers and organizations around the world

Over 130,000 students researchers, and industry experts at use scite

See what students are saying

rupbmjkragerfmgwileyiopcupepmcmbcthiemesagefrontiersapsiucrarxivemeralduhksmucshluniversity-of-gavle
“…Machado antecipa vertentes ultramodernas, tendo em vista que esse procedimento narrativo foi bastante utilizado por autores modernistas, como também pode ser interessante, pois nela Mário aborda a questão da escrita literária, bem como da narração e chega a se expulsar da própria obra, em franca brincadeira com a verossimilhança e o pacto ficcional. 75 Vasconcelos (2014) assim define parábase em nota de rodapé: "Parábase: 'no antigo teatro antigo, espécie de intermédio crítico ou cômico feito pelo coro enquanto o palco estava vazio, em que muitas vezes expunha o autor as suas opiniões ao público' (Dicionário Caldas Aulete); 'na comédia grega, ocasião em que o coro se afastava da ação teatral e trazia o público de volta à realidade, abordando temas políticos e sociais' (Dicionário Houaiss). [...]".…”
Section: "Ninguém O Saberá Jamais": O Narrador Moderno E O Não Saberunclassified
“…Corroborando o que preconiza Freud e os estudos de Passos e Rosenbaum (2011;2014), Adélia Bezerra de Menezes (2014), estudiosa desse mesmo diálogo, afirma:…”
Section: Introdução -Amar Verbo Intransitivo E As Questões Modernistasunclassified
See 1 more Smart Citation
“…Durante sua adolescência, Jane Austen compôs várias obras ficcionais. Esse conjunto de textos produzidos entre as idades de 11 a 17 anos, chamado de Juvenília, já contava com forte valor crítico de principal formato irônico (VASCONCELOS, 2014), os quais demonstram a indiscutível capacidade de observação e compreensão do funcionamento da máquina social e suas habilidades críticas. Um deles é Plan of a Novel 14 , que busca parodiar os romances populares com heróis extremamente virtuosos, heroínas sensíveis com vidas cheias de aventuras e vilões aristocratas.…”
Section: Influências E O Gênero Romanceunclassified
“…", quando, na verdade, sob a nossa perspectiva, é preciso entender que tudo que deixa os lábios de cada personagem, que engaja suas atitudes, tem uma função específica muito além do simples ato de ornar o personagem em si. Com efeito, em Vasconcelos (2014) há um alerta quanto a isso, dizendo que não há nada de inofensivo em Austen, o detalhe sarcástico em suas obras é uma de suas armas de análise mais aguçadas e marcantes; há inclusive uma interessante correlação entre Jane Austen e Machado de Assis, no sentido em que os dois utilizavam um 'ódio controlado' 29 (VASCONCELOS, 2014, p. 145-162) em forma educada de insulto como estratégia de sobrevivência e denúncia ao desprezo que ambos nutriam pela sociedade de seu tempo.…”
Section: Influências E O Gênero Romanceunclassified