2008
DOI: 10.1590/s0104-59702008000100013
|View full text |Cite
|
Sign up to set email alerts
|

O Brazil-Medico e as contribuições do pensamento médico-higienista para as bases científicas da educação física brasileira

Abstract: O final do século XIX e o início do XX foram emblemáticos para a 'cientificização' da educação física no Brasil. A presente investigação se direcionou para o Brazil-Medico no período de 1887-1923, com o objetivo de identificar as compreensões de corpo e saúde, buscando-se contribuições para as bases científicas da educação física brasileira.

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
1
1

Citation Types

0
0
0
2

Year Published

2010
2010
2020
2020

Publication Types

Select...
4

Relationship

0
4

Authors

Journals

citations
Cited by 4 publications
(2 citation statements)
references
References 3 publications
0
0
0
2
Order By: Relevance
“…Durante o século XIX, teve origem no Rio de Janeiro e na Bahia, a mobilização de médicos, intelectuais e políticos em torno de projetos que propiciaram o avanço do processo da institucionalização da medicina 9 . Assim o discurso médico foi elaborado sobre um modelo de ciência que se cultura, e deixam de sê-lo em outra época e numa outra cultura.…”
Section: Resultsunclassified
“…Durante o século XIX, teve origem no Rio de Janeiro e na Bahia, a mobilização de médicos, intelectuais e políticos em torno de projetos que propiciaram o avanço do processo da institucionalização da medicina 9 . Assim o discurso médico foi elaborado sobre um modelo de ciência que se cultura, e deixam de sê-lo em outra época e numa outra cultura.…”
Section: Resultsunclassified
“…Bianchetti (2009) ao analisar a produção científica nas ciências do esporte, aponta que nas três últimas décadas ocorreu uma apropriação do esporte e da atividade física para servir às finalidades do capital em crise, identificando diversos problemas associados ao produtivismo universitário presentes na Educação Física, tais como, predomínio da área biomédica sobre a pedagógica e social, acirramento do embate entre formação humana e treinamento esportivo de alto nível, e fragmentação da formação universitária. Acrescentam-se ainda, as influências médico-higienistas orientadas pelo discurso sanitarista que negligencia as mudanças econômicas, políticas, sociais relacionadas à saúde e provoca distorções sociais e científicas (PAIM; ALMEIDA FILHO, 1998;MENDES;NÓBREGA, 2008).…”
Section: Introductionunclassified