2013
DOI: 10.1590/s1413-24782013000200002
View full text |Buy / Rent full text
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: Depois de rever algumas características da primeira fase do Estado-avaliador, o exercício delineado neste texto começa por revisitar brevemente a (velha) teoria da modernização para, em seguida, sugerir que alguns dos seus pressupostos continuam, em grande medida, a estar subjacentes ao atual comparativismo internacional avaliador que se tem vindo a constituir como agenda política, crescentemente dominante, pelo menos, desde os finais dos anos de 1990, e à qual corresponde o que o autor designa de segunda fase… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
4
1

Citation Types

0
13
0
38

Year Published

2015
2015
2018
2018

Publication Types

Select...
3

Relationship

0
3

Authors

Journals

citations
Cited by 45 publications
(6 citation statements)
references
References 13 publications
(6 reference statements)
0
13
0
38
Order By: Relevance
“…O resgate do cenário nacional e internacional e das construções históricas realizadas pelo SME, baseado em autores como Afonso (2013), Dias Sobrinho (1996, 2008 e Dale (2004Dale ( , 2010, justifica-se para garantir ainda mais significado ao contexto estudado. Em termos de política de avaliação em larga escala, percebe-se um movimento, por parte do SME, no período posterior a 2005, que se aproxima dos movimentos internacionais conhecidos, principalmente no que diz respeito a uma qualidade pautada por resultados e à criação de parâmetros generalizantes para os desempenhos observados, em uma perspectiva muito mais voltada à culpabilização do que à efetiva responsabilização dos envolvidos no processo educativo.…”
Section: Analisando Os Efeitos a Partir Das Manifestações E Das Práticasunclassified
“…O conceito de globalização aparece vinculado a riscos e a possibilidades, funcionando não como uma transposição direta de lógicas avaliativas (AFONSO, 2013), mas como processos que se recontextualizam mediante fatores próprios das trajetórias locais. Não obstante as adequações, Dale (2004) nos lembra dos efeitos dessa inserção em modelos avaliativos globalizados, que correspondem às necessidades de reforma política, de regulação e de qualidade que precisam se adaptar a um modelo voltado para a obtenção de resultados quantificáveis.…”
Section: Introductionunclassified
“…En este sentido, la acción de éstas últimas permite caracterizar una tercera fase (que he venido a denominar como de post-estado evaluador), en la que se hace cada vez más evidente la presión originada en instancias cuyo ejemplo paradigmático es la OMC -Organización Mundial del Comercio (Afonso, 2013).…”
Section: Introductionunclassified
“…Considerando este como apenas um dos momentos nos desdobramentos do Estadoavaliador, Afonso (2013) reconhece ainda dois outros estágios ou fases da vaga avaliadora que, apesar de distintos do que antecedeu, podem coexistir no atual desenvolvimento das políticas de avaliação.…”
Section: Introductionunclassified
“…Subsidiado por uma revisão de literatura que toma pesquisadores da Ciência Política (BOVENS, 2007;MULGAN, 2000;SCHEDLER, 2004) como principal referência, e adotando estudos de Afonso (2009aAfonso ( , 2009bAfonso ( , 2010Afonso ( , 2011Afonso ( , 2013 com propulsores do debate no campo educacional, destaca aspectos conceituais do tema em perspectiva internacional realçando especificidades de sua abordagem na educação, nomeadamente na América Latina e no Brasil, onde ganha força o debate da responsabilização.…”
Section: Introductionunclassified