volume 23, issue 67, P9-14 2008
DOI: 10.1590/s0102-69092008000200002
View full text
|
Sign up to set email alerts
|
Share

Abstract: Ao receber a notícia da morte de David Maybury-Lewis, pensei na importância que ele teve para a minha formação como antrpólogo. E, surpreendentemente, constatei que não consigo recordar o momento exato em que o conheci. Recordome, muito bem, da chegada de seus alunos no Museu Nacional, em 1962 com Terence Turner e Joan Bamberger; seguidos nos ano seguinte por Jean Carter e Dolores Newton, e posteriormente por John Christopher Crocker e Cecil Cook, no âmbito do Convênio Harvard-Museu Nacional, organizado por e…

Expand abstract