2006
DOI: 10.1590/s0102-71822006000200002
View full text |Buy / Rent full text
|
Sign up to set email alerts
|

Abstract: RESUMO: O presente texto tem como cenário o "apartheid social contemporâneo" que caracteriza a sociedade de controle globalizado onde, apesar da precarização do mercado de trabalho, difunde-se cada vez mais a subjetividade do trabalho formal como a verdadeira natureza do homem. Nesta perspectiva, o "cidadão humano" é aquele que se vincula, rápida e prontamente, à lógica capitalista. Neste contexto, coloca-se em análise o que significam as políticas públicas formuladas e implementadas por este Estado capitalist… Show more

Help me understand this report

Search citation statements

Order By: Relevance

Paper Sections

Select...
2
1
1
1

Citation Types

0
0
0
10

Year Published

2013
2013
2016
2016

Publication Types

Select...
3

Relationship

0
3

Authors

Journals

citations
Cited by 21 publications
(10 citation statements)
references
References 1 publication
(10 reference statements)
0
0
0
10
Order By: Relevance
“…Eram movimentos que se diferenciavam dos anteriores por colocarem foco não apenas na macropolítica, passando a focar o cotidiano, as condições de saúde, educação, liberdade sexual, entre outros, e enfatizando o pequeno, o invisível e o capilar. Embora ainda centrados pela lógica da representação partidária, traziam formas diferentes de pensar e fazer políticas (Monteiro, Coimbra, & Mendonça-Filho, 2006). No campo da saúde, o movimento da Reforma Sanitária buscou conquistar o direito à saúde como um direito universal de todos os cidadãos e um dever do Estado (Cohn, 2008).…”
Section: Estado Neoliberalismo E Reforma Sanitáriaunclassified
“…El ámbito público "diz respeito à experiência concreta dos coletivos de forças sempre em movimento" (Monteiro, Coimbra, & Mendonça Filho, 2006, p. 11). Lo público, así como con el Estado, es una construcción de la experiencia concreta de los sujetos y la relación entre los dos no es sinonímica (Monteiro et al, 2006). De la construcción visualizada en la entrevista se puede decir que el público no es el locus de los intereses comunes, pues es directamente atravesado por los intereses privados de las y los gestores.…”
Section: Definición De Privatizaciónunclassified
“…Como efecto vemos la reproducción de lógicas que presuponen en el polo económico el lugar del poder y que, por lo tanto, direcciona la actuación para ocupación de esos lugares de poder suponiendo que así se puede poseer el poder. Hemos aprendido con Michel Foucault que el poder no es propiedad de una clase o institución, sino una relación de fuerzas inmanentes materializadas en prácticas, técnicas y disciplinas (Monteiro et al, 2006). Lo que sugiere que el poder circula por todo el entramado social y no sólo entre los grupos hegemónicos.…”
Section: Definición De Privatizaciónunclassified
“…Dessa forma, podemos refletir que, ao construir seus próprios processos de escolhas, as juventudes da favela vão também construindo seus próprios processos de singularização, sendo esta uma afirmação da autonomia e da convocação daqueles alunos para serem atores e construtores da sua realidade e de seu entorno. É a afirmação da micropolítica como forma de atuação no mundo para a transformação social, para além de políticas públicas massificantes e cristalizadas (Monteiro, Coimbra, & Mendonça Filho, 2006).…”
Section: Assim O Projeto Construindo Um Processo De Escolhas Mesmo unclassified
“…A produção que emerge não é simplesmente a identificação e a circunscrição das subjetividades que se configuram no contexto da favela, mas sim, a emergência de processos subjetivos que escapam a essa identidade-referência e que criam novas possibilidades de ser. São processos de singularização (Guattari & Rolnik, 2010) Entender a prática psicológica como aposta da criação de processos de singularização é também entender tal prática como uma micropolítica pública, construída na experiência concreta de novas invenções subjetivas, ao contrário de políticas públicas que se pautam no caráter de Estado democrático definitivo e cristalizado, que massifica e serializa os modos de ser (Monteiro et al, 2006).…”
Section: Favela: Um Território Ausenteunclassified